Parceria garante a construção de máquina para produção de biodiesel

A Embrapa e a Metal Brasil construíram juntas a garante garante a construção de máquina para produção de biodiesel

Fonte: Agrolink - 27/05/07

Foto: Divulgação

A parceria da Embrapa, com o empresário Itamar Tadeu Godoy e a empresa Metal Brasil permitiu que fosse construída a máquina esmagadora de mamona, girassol, soja, amendoim e outras oleaginosas para produzir óleo vegetal que servirá de base para biodiesel. A esmagadora tem custo de R$ 45 mil e já é comercializada nos assentamentos para geração de renda. O Banco do Brasil financia o equipamento, mediante apresentação de projeto.

Segundo Itamar, a máquina pode virar 24 horas trabalhando. Para se ter uma idéia, em uma hora, esmaga 200 kg de soja que rende 24 kg de óleo. O farelo – que ainda retém cerca de 6% de óleo – é destinado à nutrição animal dentro do próprio assentamento ou para comercialização, gerando renda. O rendimento de 250 kg de girassol em uma hora é de 80 kg de óleo. Itamar é o sócio-proprietário da empresa Tangará, que revende a máquina esmagadora.

A Associação dos Agricultores do Município de Terenos já adquiriu duas máquinas com financiamento do Banco do Brasil. O Banco do Brasil financia por meio do projeto de Desenvolvimento Regional Sustentável (DRS). Existe verba para montar 42 DRS - faltam os projetos, que precisam ser elaborados pelos assentamentos.

Produção

O presidente da Associação, Francisco Hélio da Silva, do Assentamento Nova Querência, entrou com projeto de financiamento no Banco do Brasil, elaborado em parceria com a UCDB, para adquirir as esmagadoras e um trator. Este é o primeiro projeto em Mato Grosso do Sul. O valor liberado pelo banco é de R$ 165 mil. O objetivo do Nova Querência é esmagar o pinhão-manso, planta considerada de maior rendimento de óleo. Também serão plantados nogueira, amendoim e girassol.

A primeira colheita será nos meses de abril e maio de 2008 com plantio em 300 ha e o projeto é de ampliar a área plantada para 2.000 ha em dois ou três anos. A intenção é de vender óleo para todo o País, para empresas como a Ecodiesel e a Granol. Hoje, já existe preço estável de mercado e está em torno de R$ 1,10 o quilo de óleo.

As duas esmagadoras, segundo Hélio, têm capacidade de produzir 2.000 kg de óleo/dia. Em dois anos, a expectativa é de obter rendimento de R$ 1.500 para cada uma das 85 famílias instaladas no assentamento Nova Querência. A renda será composta, além da venda do óleo, da produção de leite e derivados, da produção de mandioca e do excedente do farelo de soja.

De acordo com Hélio, outros projetos já estão em andamento e entre eles, a plantação da nogueira – que rende 59% de óleo – dentro da área de criação do gado. Além de produzir os frutos, gera sombra para os animais. Também está nos planos o projeto de produzir ração em parceria com os assentados do Santa Mônica, que já possui troda a estrutura para a fabricação do produto.

Crescimento


Hélio produz hoje em 0,5 ha do assentamento, várias espécies de mudas, como o nim, que entre outras utilidades serve para fabricar inseticida, a nogueira e o tung. Já sua mulher Bianca da Silva produz doces de leite e artesanato, em parceria com outras mulheres do assentamento. Com a renda da família, está em fase de construção a casa de alvenaria. Hélio comenta que também já adquiriu um utilitário, tudo proveniente da venda de mudas. Ele frisa que basta se dedicar ao que quiser fazer que dá certo.



Comentários