Ter ou não ter barba? Eis a questão corporativa

Os barbudos estão na moda, mas o visual ainda não conquistou o ambiente empresarial

As barbas fazem sucesso nas ruas, mas não são unanimidade nas empresas. Com algumas exceções, como é o caso de Richard Branson, o presidente garotão da Virgin, pêlos no rosto não fazem parte do uniforme da maioria dos executivos. "Quanto mais conservador o ambiente, mais resistência as pessoas terão a homens com barba", diz a consultora de imagem Ilana Berenholc, de São Paulo. Ilana, nossa blogueira, em outubro se referiu, no site da você s/a, a uma pesquisa do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP).

O estudo mostrava que boa parte dos executivos de recursos humanos das empresas rejeitava candidatos barbados. E gerou polêmica. Vários internautas reagiram defendendo o uso de barba no ambiente corporativo. "Só tive um entrevistador, há mais de dez anos, que condicionou a minha candidatura a raspar a barba. Não obedeci e me ofereceram a posição assim mesmo", diz Augusto Carneiro, headhunter da Zaitech, consultoria de carreira do Rio de Janeiro.

Preconceitos à parte, na prática, se você depende da imagem para ganhar dinheiro, tem de saber que pode ser prejudicado por causa da barbicha. Ela remete à maturidade, mas também à postura política de esquerda, e há quem diga que esconde o rosto e as expressões. Por isso, em uma entrevista de emprego, por exemplo, é melhor ser neutro, já que você não sabe o que vai encontrar do outro lado. "Não podemos ignorar que o preconceito existe, mas também não dá para ficar preso a padrões estéticos antigos. Se você não abre mão da barba, trabalhe em um lugar onde ela seja aceita", diz Ilana.

A aceitação, aliás, muda com os valores vigentes e a influência da moda e da cultura. Vale lembrar que os ternos de dois botões, hoje os mais pedidos nas alfaiatarias chiques, há algum tempo só faziam sucesso nas passarelas. "Usar barba não significa maior ou menor empregabilidade, desde que seja bem-feita e cuidada", diz o headhunter Marcos Haniu, da Authent, consultoria de busca de executivos de São Paulo.

Tópicos:



Comentários