Porque eu quero é ser feliz

Foto: Divulgação
Alcançar o sucesso profissional é uma tarefa extremamente desafiadora em qualquer carreira. Ser uma pessoa realizada e feliz no trabalho, é ainda mais difícil. Mas não impossível.

Caso o seu grau de satisfação esteja preocupante mantenha a calma, pois cultivar a felicidade na rotina do emprego depende apenas de força de vontade. Um esforço que vale à pena, segundo especialistas.

"Aristóteles já dizia que felicidade é o significado e a proposta da vida", diz Sâmia Simurro, vice-presidente de projetos da Associação Brasileira de Qualidade de Vida (ABQV). "As pessoas felizes são mais produtivas e criativas, melhores negociadoras, cordiais e sabem enfrentar melhor o estresse diário. Além disso, os grandes líderes são os que se consideram mais contentes com o trabalho", destaca.

A fórmula da felicidade, segundo Sâmia, está na atividade intencional. "Precisamos ter muita disposição e promover situações para nos sentirmos satisfeitos no âmbito profissional. Traçar metas de conquista e buscar o autoconhecimento são os passos iniciais."

Dedicação e entrega são outros quesitos fundamentais para o florescimento de uma sensação saudável. "Quando estamos engajado em determinado assunto, sequer sentimos as horas passarem. Devemos nos ater ao momento presente, viver o agora em vez de entrar em crise por situações futuras. A pressão por questões que sequer ocorreram acarreta não somente infelicidade, como problemas de saúde", conta Sâmia.

Fontes de tensão
Para ser ou não feliz no trabalho, é necessário ficar atento a cinco itens, na opinião da psicóloga Betania Tanure. "O primeiro deles é o dilema do tempo, a cobrança que fazemos a nós mesmos sobre a falta de horas para realizarmos todas as nossas tarefas", declara a autora do livro Sucesso e (In)felicidade.

O segundo ponto é a autodesconfiança. "É preciso saber reconhecer as competências, aceitar elogios e confiar na opinião externa. Vemos muitos profissionais de alto gabarito que não acreditam em si e acabam se frustrando desnecessariamente."

As mudanças radicais constantes na rotina de trabalho também precisam ser ponderadas. "Por medo, acabamos aceitando funções que não nos agradam e, com isso, acarretamos mais insatisfação. O diálogo, portanto, é essencial para evitar isso, mas são poucos que praticam esse hábito simples", diz Betania.

O quarto item, e um dos mais importantes, é o de orgulho e afinidade em relação ao destino escolhido para a vida profissional. "Gostar do que se faz é a base de tudo. Não significa viver em um mar de rosas, afinal, todas as carreiras têm seus pontos positivos e negativos, mas, quando os olhos brilham, tudo flui melhor", acredita.

A última dica de Betania está ligada ao relacionamento com o próximo. "Elogiar os outros e construir relações amistosas são práticas excelentes para se criar um ambiente de trabalho saudável. A conquista das pessoas é um passo importantíssimo para iluminar o caminho por onde trilham nossas carreiras."

Saúde
Para Alberto Ogata, presidente da ABQV, as atividades extra curriculares são fundamentais para se fomentar a felicidade. "Aprender coisas novas é estimulante e nos dá disposição para pensar positivamente. O lazer também influi com o relaxamento e a recarga das energias."

De acordo com ele, todos os profissionais devem se esforçar para fazer uma pausa momentânea, independente da correria diária. "Nem que seja por um minuto, mas não deixe de realizar um intervalo para concentração. Lave o rosto, desligue um pouco a tomada cerebral para diminuir o desgaste causado pela rotina", orienta.

Exemplo feliz
Para quem acha difícil colocar em prática todos os conselhos dos especialistas, concentre-se então naquele que parece ser o essencial: gostar daquilo que faz, o combustível básico da motivação.

Yasmini Ferrara, gerente de marketing da Passarela Calçados, descobriu por acaso a sua carreira dos sonhos. "Comecei na empresa como assistente de compras, mas mudei de área pelas necessidades da empresa", conta a profissional de 25 anos.

"Sempre achei interessante a exposição que o marketing proporciona e o fato de não haver rotina. Em cada dia há um novo desafio, uma necessidade de buscar novidades, pensar diferenciado e a constatação de que há muito mais para aprender", diz.

O sucesso financeiro, segundo ela, é uma grata consequência. "Quem vive pensando só no dinheiro nunca está feliz. É lógico que eu penso nos ganhos, mas o que me estimula é ver os resultados dos meus esforços", justifica.

Ela acredita que o local de trabalho também influência na felicidade. "Um ambiente produtivo nos incentiva a ir para o emprego. Além disso, há todos os estímulos para o desenvolvimento da carreira, o que avalio como fundamental para manter a empolgação dos empregados."

Questionada sobre a possibilidade de mudar de área tendo como garantia um salário melhor, a feliz gerente de marketing foi incisiva: "Não".
Tópicos:



Comentários