Troque Lixo por Livro engaja na área ambiental e cultural

Imagem: Divulgação
 
O que sua empresa faz com o lixo reciclável? Se você apenas destina o material ao local correto, saiba que poderia fazer muito mais pela cultura e pela formação de alunos de escolas públicas e particulares de Blumenau e região. O projeto Troque Lixo por Livro, coordenado pelo Instituto Evoluir, é a prova de que boa vontade e ideias inovadoras fazem toda a diferença. O nome do projeto resume qual é a prática adotada: o lixo reciclável das empresas vira livro para as crianças e o que as crianças levam para a escola vira recurso para melhorias na própria escola.

O processo é simples: as empresas que participam do projeto doam o lixo para o Instituto, que seleciona os autores e as obras que serão publicadas. É através desse processo que os livros são editados e impressos. As crianças colaboram levando 1kg de lixo reciclável para as escolas, e trocam o material pelos livros. O montante gerado pelas crianças vira investimentos na própria escola.

Os números do Troque Lixo por Livro, que tem três anos e meio, impressionam: 19,3 mil crianças beneficiadas e 250 mil livros distribuídos – o que representa 250 toneladas a menos de lixo nas ruas ou nos morros. Não é a toa que Cristina Marques, escritora e presidente do Instituto Evoluir, recebeu em 2006 o prêmio nacional de Mulher Empreendedora pelo Sebrae. A escritora voltava de uma apresentação sobre literatura em uma escola pública de Blumenau quando pensou na ideia básica do projeto. “Vi muitas crianças com medo manusear os livros porque tinham sido alertadas pelas professoras que se rasgassem ou amassem, a escola teria que comprar e não havia dinheiro”, lembra ela. “Eu queria deixar aqueles livros na escola, mas não podia”, complementa.

Quando Cristina desceu o morro onde a escola ficava localizada, percebeu que embaixo das casas e na própria rua havia muito lixo reciclável. “Foi então que eu quis transformar todo aquele lixo em livro para as crianças”, relembra.

Cristina cita pesquisas que dizem que 73% da literatura produzida no Brasil é consumida por 16% da população. “Uma elitização da cultura que não pode existir”, pondera ela. Através do projeto, a ideia é criar uma nova geração que valorize e goste de literatura. “Crianças com imaginação são adultos com criatividade”, afirma a escritora.

A autora também cita que as crianças são grandes formadoras de opinião na sociedade. “Quando uma criança pede que o pai separe o lixo reciclável ou que leia uma história, ela está influenciando diretamente na realidade e no pensamento dela”, destaca.

Está aí mais um bom motivo para que as empresas invistam em iniciativas sociais e culturais para crianças e jovens: a criação de um público consumidor que ligue diretamente a imagem da empresa com responsabilidade social e proatividade cultural. “Cada vez mais essa característica está sendo valorizada pelo mercado e pelo próprio cliente. Ajudar não custa nada e ainda se transforma numa boa referência”, diz Cristina.

Um dos grandes enganos que entrava a disseminação da cultura, segundo Cristina, é a ideia de que crianças só gostam daquilo que é dado. “Se elas precisam realizar alguma tarefa para conquistar as coisas, a valorização é muito maior”, diz a escritora. Por isso, para conquistar os livros, as crianças precisam levar para as escolas 1kg de lixo reciclável.

Além de incentivar a ideia de que o livro é uma conquista da criança, e ela merece levá-lo pra casa, o lixo trazido pelos alunos é vendido e destinado a melhorias nas próprias escolas, através de materiais de apoio ou outros títulos. “Tivemos uma escola, por exemplo, que conseguiu juntar 20 toneladas de lixo e montou sua biblioteca”, afirma Cristina, que se emociona ao lembrar esse acontecimento.

No próximo ano o Instituto Evoluir lança o Livro Trabalhando com Gêneros Literários, obra especialmente desenvolvida para os professores. “É a segunda vez que editamos um material voltado para os professores, que também trocam por lixo”, conta Cristina. O objetivo é trazer informações sobre literatura que auxiliem nas aulas, já que um aluno pode adorar ou detestar um livro, caso não se identifique com o gênero literário.

“Acredito no poder de influência do professor. Ele é  para a criança, o detentor da verdade absoluta. Se ele souber trabalhar a literatura de uma forma agradável e atrativa, teremos crianças mais interessadas”, conclui Cristina.

Uma das formas de alicerçar o projeto ainda mais na realidade nas crianças é utilizar autores locais na autoria das histórias. “Quando vamos às escolas com os autores dos livros, as crianças e os jovens se aproximam ainda mais da arte”, comenta a escritora. “Sem contar que, quando se está frente a frente com um autor e o aluno vê que ele é uma pessoa normal, de carne e osso, estimula nela a ideia de que também pode produzir arte”, complementa.

Os 13 livros da coleção infantil “Cantos e Encantos” foram escritos por Cristina, em parceria com a blumenauense Nana Toledo. As ilustrações foram feitas por Boris, que é um renomado ilustrador argentino. “Buscamos aliar a experiência do ilustrador com a  vivência que eu e a Nana temos com o universo infantil”, comenta Cristina. A criança que completa a coleção ainda ganha um CD de músicas de autoria da Nana Toledo cujas letras estão no final da cada livro.

Já os 12 títulos juvenis, da coleção “Jóias Literárias” totalizaram 21 autores. Nos contos, um escritor de cada gênero literário e um livro de poemas, que reúne 10 poetas locais. As diferenças de estilos entre os escritores é uma grande vantagem na opinião de Cristina. “Por termos vários gêneros, conseguimos atingir jovens com personalidades e gostos bastante distintos”, diz ela. A campanha também conta com um livro infanto-juvenil, “Uma Fábula Ecológica”.

Graças ao projeto Troque Lixo por Livro, Cristina recebeu reconhecimento. O mais recente deles foi o prêmio Senac Mulher 2008 categoria Comunicação. Recebeu ainda o prêmio nacional de Mulher Empreendedora 2006, pelo Sebrae. “Conseguimos, através do reconhecimento do Sebrae, apresentar o programa para fora do país”, comenta a escritora. Foi finalista do Prêmio Cláudia 2007, que destaca iniciativas de mulheres de todo o país. Da região recebeu “Revelação Empreendedora”  e “Mulher Destaque" concedidos pela Câmara da Mulher Empresária.

Ela e a equipe do Instituto Evoluir também receberam o Voto de Aplauso do Senado Federal e pelo Ministério da Cultura o selo Cultura Viva, prêmio recebido apenas por dois projetos em Santa Catarina. Entre as premiações locais, ela destaca troféus da Sociedade de Escritores de Blumenau (SEB) e da Câmara de Vereadores de Blumenau.

SUA EMPRESA PODE PARTICIPAR

Bunge e Hering são apenas algumas das empresas que já participaram do Troque Lixo por Livro. E a sua também pode participar. Entre em contato com o Instituto Evoluir pelo telefone (47) 3041-0524 e solicite uma visita técnica para análise de viabilidade econômica da participação.




Comentários