Novo inserto da Walter permite maior avanço e melhor acabamento


A Walter acaba de lançar no mercado o inserto alisador com geometria XNGX para aplicação na linha de fresas Xtra-tec F4033. Com ele, é possível um aumento de 30% no avanço sem perda do acabamento superficial da peça.

Montado no alojamento padrão da fresa, não necessita de um cassete especial ou regulagem em equipamento de pre-set. Outra vantagem é a versatilidade, pois é compatível com a linha de fresas F2010 da Walter.

O raio de 600 mm na aresta de contato com a peça é a principal característica alisadora do produto. O formato básico negativo proporciona duas arestas na versão direita e pode até tornar-se um inserto de quatro arestas caso o cliente possua fresas na versão esquerda. Quando montado em uma fresa de assento fixo, seu raio fica de 20 a 40µ mais alto em relação às arestas do inserto de corte.

O especialista de fresamento da Walter do Brasil, Sander Gabaldo, informa que aplicações de insertos alisadores em operações de desbaste na Europa têm reduzido em 25% o consumo de insertos nas operações de fresamento. Isso ocorre porque, na grande maioria dos casos, quem determina o fim da vida útil de uma ferramenta é o operador da máquina, pois mesmo que a rugosidade esteja dentro da tolerância especificada no desenho da peça, o aspecto visual dá a impressão ao operador de que a rugosidade está fora da tolerância exigida.

Ao acrescentar um inserto alisador em uma fresa de desbaste leve ou de semiacabamento, o aspecto visual da peça melhora. Conforme as peças vão sendo usinadas, o acabamento permanece muito próximo ao da primeira peça, e em maior quantidade de peças, quando comparado ao de uma operação com a mesma fresa sem o inserto alisador.

Testes no campo também mostram que o inserto alisador, quando utilizado em peças de aço, proporciona uma rugosidade de 0,4 a 1,6 Ra.

O inserto alisador está disponível nas classes WAK15 para ferro fundido, WXM15 para aços em geral e WXH15 para materiais endurecidos.

Saiba mais sobre a Walter no portal CIMM. Clique aqui.
Tópicos:



Comentários