Seja sempre ético: Quem rouba ovo rouba cavalo

Foto: Divulgação

Por Célia Leão*

O título deste artigo é um antigo ditado árabe, apropriado a certos fatos que freqüentemente você vê acontecer nas empresas. Recentemente o país se chocou ao ver publicado em toda a imprensa o relatório de gastos com os cartões corporativos do governo federal. Festa de compras em freeshops, esteiras para ginástica, tapioquinhas, enfim, um show de desvarios à custa do nosso dinheirinho, arrecadado na forma de impostos.

Da mesma maneira, vejo pessoas que se aproveitam da estrutura de suas organizações para infi ndáveis telefonemas interurbanos - às vezes internacionais -, de cunho absolutamente pessoal.

Igualmente feio é aquele que faz uso durante horas da internet da companhia para trocar correspondência com seus amigos de Orkut, viajar por sites interessantíssimos, mas que nada têm a ver com sua rotina nem seus objetivos de trabalho.

O mais engraçado é que o profissional que age dessa forma muitas vezes trabalha em uma empresa que remunera seus funcionários todos por participação nos resultados - e o espertalhão não se dá conta de que seu desperdício acaba por prejudicá-lo.

Fico sempre chocada ao pedir uma nota fiscal em um restaurante e o garçom, na maior naturalidade, perguntar se a quero no valor da despesa ou se prefiro tê-la com algum outro valor!

Se a pergunta existe é porque existe gente que pede que a nota fiscal seja emitida dessa forma, não é mesmo?

Quem faz isso em seu dia-a-dia na empresa não tem moral alguma para se chocar com os gastos estapafúrdios e sem sentido nos cartões corporativos do governo - o ditado acima literalmente quer dizer que aquele que se apropria um pouquinho do que não lhe pertence, se tiver chance, vai se apropriar do que é dos outros “bastantão”!

Assim, vamos combinar: não se choque se, em sua empresa, houver mecanismos rastreadores do uso da internet  - você pode não ser um usuário despido de ética, mas aposte que ao seu redor existem pessoas que o são! Faça a sua parte de maneira responsável e íntegra porque, sem ética, jamais haverá conduta elegante.

* Célia Leão é autora de Boas Maneiras de A a Z (Editora STS) e consultora de etiqueta empresarial. E-mail: etiqueta@abril.com.br.
Tópicos:



Comentários