Plástico biodegradável tem avanço

Foto: Divulgação

Polihidroxibutirato - mas pode chamar de PHB. Esta é estrela quando o assunto são os plásticos biodegradáveis. Produzido a partir de uma bactéria, o PHB já é conhecido desde os anos 1980, e é tido como uma das alternativas mais promissoras para a fabricação de plásticos alternativos e que, ao contrário do plásticos produzidos a partir do petróleo, sejam biodegradáveis.

Comportamento imprevisível

A chegada do PHB ao mercado tem sido impedida justamente por esta característica que o torna tão desejado: a biodegradabilidade. E não por alguma teoria da conspiração ou porque a "turma do petróleo" não deixe. O problema é que ele começa a se degradar de forma absolutamente imprevisível. Além disso, ele é quebradiço demais.

Biodegradabilidade ajustável

Agora, cientistas da Universidade de Cornell, nos Estados Unidos, descobriram que a adição de nanopartículas de argila pode resolver os dois problemas. O PHB fica muito mais maleável e pode ter sua biodegradabilidade ajustada pelo simples controle da quantidade de nanopartículas que são adicionadas.

Nanoargilas


Comparando com o PHB original, o novo plástico tem uma resistência e taxas de biodegradabilidade sistematicamente superiores ao do composto original. As "nanoargilas" também permitem que o plástico se deteriore mais rapidamente, ao longo de apenas 7 semanas. Com a vantagem de que o início dessa degradação é agora mais previsível e ajustável pela quantidade das nanopartículas de argila adicionadas.



Comentários