Indústria Xperience realiza mais um webinar, on demand, para falar de testes e medidas na indústria

Participam deste episódio Paulo Urbano Avila, professor, com larga experiência no Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Mercedes Benz, e Mauro Andreassa, professor, consultor e especialista em indústria.

A Indústria Xperience, plataforma 100% digital da Feira Internacional de Máquinas e Equipamentos (Feimec) e da Feira Internacional de Máquinas-Ferramenta e Automação Industrial (Expomafe), realizou no início de julho (7), mais um webinar sobre o tema: Análise Experimental das Tensões Mecânicas. Os internautas que acompanharam o episódio mensal da série tiveram uma verdadeira aula de física, comandada pelo professor do curso de Engenharia de Produção e Computação da Faculdade ESEG do Grupo ETAPA, Paulo Urbano Ávila, com participação do coordenador de conteúdo da Indústria Xperience e também professor, Mauro Andreassa. 

Segundo Avila, que também atuou por 30 anos no Centro de Desenvolvimento Tecnológico da Mercedes Benz, toda medição realizada é uma arte. “Aprendi a medir desde o curso técnico até chegar à indústria. Para conhecer um fenômeno, a medição é imprescindível. Só modelagem e simulação não bastam; é preciso a medida real no campo para se verificar se o modelo teórico está correto ou não. Em todos os sistemas de locomoção é importante avaliar e medir a tensão mecânica”, afirmou o professor e especialista.

Avila comentou ainda que a análise experimental de tensões provém da mecânica, mas tudo é interpretado pelo ponto de vista elétrico. “O conhecimento transdisciplinar é importante na ciência e a metodologia de aprendizado científico STEM, do acrônimo em inglês Science, Technology, Engineering and Mathematics, integra as quatro áreas das ciências exatas: ciência, tecnologia, engenharia e matemática, sendo que o primeiro conceito em tensão mecânica é a resiliência, propriedade que permite voltar ao estado origem cessadas as solicitações", explicou. 


Continua depois da publicidade


As medidas são necessárias, de acordo com o professor, para avaliar como está o funcionamento dos diversos componentes de um motor, por exemplo, e assim melhorar suas funcionalidades. O especialista em indústria mecânica citou a relação Stress (que simboliza a solicitação, i.e., a força sobre a área) versus o Strain (o efeito, i.e. , a elongação - variação dimensional). E também explicou sobre o transdutor, afirmando que a tração mecânica causa o aumento da resistência elétrica que é medida através de um circuito chamado de ponte de Wheatstone, de quatro resistores e um galvanômetro sendo que dois destes resistores são conhecidos, um variável e um último desconhecido. “Na medida em que se conecta em um dos braços da ponte, um Strain Gauge, extensômetro em português, palavra que deixa claro que devido a tração e/ou compressão, ocorre um desbalanceamento da ponte, promovendo assim uma tensão elétrica”, afirmou.

Avila ainda demonstrou uma barra de torção de um veículo, que pode absorver o choque em um impacto. Se a barra não estiver em sua fase elástica, ela pode se quebrar e causar um acidente. Em um pouso de avião, por exemplo, se houver um rompimento, o acidente é inevitável. Paulo Urbano Avila encerrou o webinar deixando o convite para um curso de 10 horas que está compondo, com a prática de fazer Análise Experimental de Tensões, usando Strain Gauge nos mais diversos componentes veiculares. Quem se interessar, pode entrar em contato por meio do e-mail: fispuavila@gmail.com.

O conteúdo do webinar fica disponível on demand na plataforma Indústria Xperience. O próximo episódio do webinar Indústria Xperience já está marcado para o mês de agosto, com o tema: Equipes Autogerenciáveis para Atingir Alto Desempenho. Acompanhe mais informações pelo site. 




Comentários