Nova tecnologia transforma crepinas em peças mais resistentes e 100% recicláveis


Continua depois da publicidade


Acessório utilizado em sistemas de filtragens industriais, de tratamento de água, efluentes e drenagens, a crepina tem como função impedir a passagem de partículas sólidas e permitir apenas a vazão do líquido para a saída do filtro. Comumente fabricada em polipropileno, essa peça costuma ter sua vida útil abreviada quando é necessário mover ou transportar o filtro. O impacto acaba sendo econômico e ambiental, já que o material não pode ser reutilizado e gera novos custos para as empresas. Para se ter uma ideia, um copo de plástico feito com polipropileno pode levar de 250 a 400 anos para desaparecer de vez.

Empresa de engenharia com foco em soluções ambientais sustentáveis, a Allonda Ambiental procurava uma crepina que resistisse mais às tensões e que também pudesse de alguma forma ser reutilizada. Depois de muita pesquisa, a solução encontrada foi a crepina desenvolvida com a tecnologia Therpol®, da Proquitec, material que resiste a tensões com elevadas propriedades de alongamento e resiliência e possui a característica de ser 100% reciclável. "Este processo é conhecido como closed loop, item fundamental da economia circular, ou seja, descarte zero. Isto porque o plástico com Therpol mantém suas propriedades originais, podendo ser reciclado inúmeras vezes, e vem de fonte bio renovável", diz Sidnei Nasser, CEO da Proquitec.


Continua depois da publicidade


Leo Cesar Melo, CEO da Allonda Ambiental, conta que somente em um projeto da empresa na cidade de Vitória (ES) foram empregadas 12.200 crepinas, já com a nova tecnologia, ou seja, a empresa eliminou o consumo de 1 tonelada e meia de plástico. "Com isso, também economizamos cerca de 65% em relação ao custo das crepinas compradas no mercado. Além de muitos outros ganhos em valor e tempo de obra", garante o CEO.

A flexibilidade do material tem um outro importante impacto: segurança. Com a possibilidade de transportar os filtros por longas distâncias, a empresa pode fazer a montagem do equipamento em um local mais adequado, garantindo condições de segurança ao mesmo tempo em que ganha rapidez no serviço. "A segurança do trabalho sempre é uma de nossas maiores preocupações nos projetos realizados, por isso a possibilidade de montar os filtros em um local próprio para a atividade se torna um diferencial importante", complementa Melo.

Ao final do uso do filtro, as crepinas são retiradas e devolvidas para a Proquitec, que providencia o rebeneficiamento do Therpol® para possibilitar a produção de novas crepinas, em parceria com a Tsong Cherng, responsável pela re-injeção do material para a formação das novas crepinas. Outro diferencial é que não há nenhuma perda no processo, ou seja, a quantidade de Therpol® que compunha as crepinas usadas, gera exatamente o mesmo número de crepinas novas.




Comentários