Coletânea faz uma revisão dos diversos tipos de fluidos de corte

Fonte: Artliber Editora - 31/07/07

Aplicação e Utilização dos Fluídos de Corte nos Processos de Retificação

Autores:

Eduardo Carlos Bianchi
Paulo Roberto Aguiar
Bruno Amaral Piubeli

A globalização da economia exige do setor produtivo melhorias substanciais de qualidade, precisão de peças produzidas, e custo, entre outros pré-requisitos necessários para o reconhecimento e desenvolvimento do setor industrial. Ao mesmo tempo surgem novos conceitos, como a usinagem com mínima quantidade de fluido de corte, uma vez que esses fluidos representam grande parcela do custo final da peça, como conseqüência de gastos com a manutenção e descarte. Um dos principais fatores que influenciam no estado final da peça usinada, além das condições de usinagem, é a forma e a quantidade de aplicação dos fluidos de corte no processo. Isto fica ainda mais evidente quando se questiona os custos com os fluidos de corte no setor produtivo, estimados em cerca de 17% dos custos de produção.

Esta coletânea apresenta uma revisão dos princípios básicos envolvidos na seleção, aplicação, manutenção correta e nos meios de descarte dos diferentes tipos de fluidos de corte disponíveis para utilização em processos de retificação. Em virtude da tendência mundial de adequação aos procedimentos industriais relativos às normas ambientais vigentes, é apresentado um estudo sobre os tipos de fluídos e aditivos que vêm tendo o uso desestimulado por oferecerem riscos à saúde humana e ao meio ambiente. Também são abordados os procedimentos padrão de descarte dos diferentes tipos de fluidos, conforme os padrões ambientais vigentes, e como as técnicas de gerenciamento dos fluidos de corte podem diminuir os custos finais de descarte.

A maior ênfase foi dada ao processo de retificação, que é utilizado para os casos que necessitam de grande precisão dimensional, qualidade superficial e estudo de custos. São ainda apresentados estudos sobre a influência da intensidade de pressão e vazão do fluido de corte no comportamento do processo de retificação do tipo tangencial plana, sobre a proliferação de microorganismos no fluido de corte e, finalmente, sobre a forma e quantidade de aplicação de fluido que geram influências diretas em algumas das principais variáveis de saída do processo.

SOBRE O AUTOR


Prof. Dr. Eduardo Carlos Bianchi
— Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia da UNESP — Bauru, onde coordena o Grupo de pesquisas em Usinagem por Abrasão. Foi Coordenador do Curso de Graduação em Engenharia Mecânica, de 1993 a 1995 e Presidente da Comissão de Pesquisa da FE, em 1994. Assessor ad doc do CNPq, a partir de 1998, membro integrante do quadro de assessores ad doc da FAPESP, e assessor ad doc da FUNDUNESP. Atualmente é Coordenador do Programa de Pós-graduação da Faculdade de Engenharia, participa do Programa de Redes Cooperativas de Pesquisa (RECOPE) e Instituto Fábrica do Milênio (IFM), e desenvolve atividades de ensino, pesquisa e extensão universitária.

Prof. Dr. Paulo Roberto Aguiar — Professor Adjunto do Departamento de Engenharia Elétrica da Faculdade de Engenharia da UNESP — Bauru. Membro do Grupo em Usinagem por Abrasão no Departamento de Engenharia Mecânica da FE — Unesp — Bauru. Realizou Pós-Doutorado em Engenharia Mecânica/Elétrica na área de Usinagem por Abrasão e Processamento de Sinais na University of Connecticut, Estados Unidos.

Bruno Amaral Piubeli
— Aluno e bolsista de Iniciação Tecnológica Industrial pelo CNPq, concedida ao Instituto Fábrica do Milênio.
Tópicos:



Comentários