SINAIS DE EMISSÃO ACÚSTICA PARA MONITORAR O DESGASTE DE FERRAMENTA: USINAGEM DO INCONEL 718 COM LUBRIFICAÇÃO EM MQF

por: Cleverson Pinheiro, Marcel Kondo, Marcos Ribeiro, Manoel Alves, Jose Souza

Acessar artigo completo



Ano: 2019

Instituições de ensino: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho", Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho"

Idioma: Portugues

Logo-abcm-300
Logo-cobef-2019



Resumo

Em um mercado competitivo, as indústrias de usinagem precisam melhorar e monitorar seus processos de fabricação, maximizando cada recurso. Entre estes recursos estão as ferramentas de usinagem. Entretanto, o monitoramento da vida da ferramenta, muitas vezes é realizado, através de análises subjetivas e imprecisas, levando a um descarte prematuro da ferramenta. Com isto, este trabalho, analisou a possibilidade de utilizar os sinais de emissão acústica, emitidos durante a usinagem, no monitoramento do desgaste da ferramenta. O corpo de prova cilíndrico do Inconel 718 foi usinado em um centro de torneamento, utilizando a técnica de lubrificação MQF. Os parâmetros de usinagem utilizados em três repetições dos ensaios de vida da ferramenta foram: velocidade de corte de 70 m/min.; avanço de 0,10 mm/rev e profundidade de corte de 0,50 mm. Foram utilizados insertos de metal duro, recobertos com (TiAl)N+TiN pelo processo PVD. Os sinais de emissão acústica foram obtidos instantaneamente por um módulo de emissão acústica, integrado a um sistema de aquisição de dados. Foi ajustada uma equação de regressão linear estatisticamente significativa, com um R² de 79,6. Os sinais de emissão acústica podem ser utilizados para prever o nível de desgaste da ferramenta de usinagem.


Palavras chave

Acessar artigo completo



Comentários ()



Veja outros trabalhos acadêmicos

Outros conteúdos

Fórum

Tire suas dúvidas e ajude outras pessoas no CIMM:

Faça uma pergunta