SolidWorks foca em softwares para plásticos e projeto elétrico no Brasil

SolidWorks foca em softwares para plásticos e projeto elétrico no Brasil


Continua depois da publicidade


O SolidWorks Electrical e o Plastics, softwares da Dassault Systèmes SolidWorks voltados para a parte elétrica do projeto e para simulação de injeção de plásticos, já estão sendo comercializados no Brasil. A expectativa de executivos da SolidWorks é que no segundo semestre de 2013, todas as oito revendas da SolidWorks no Brasil já estejam treinadas e aptas para a comercialização desses produtos. 

O gerente técnico da América Latina da Solidworks, Timoteo Müller, afirma que o SolidWorks Electrical é um produto essencial para a indústria metalmecânica. Tanto que 60% dos clientes da empresa utilizam algum software voltado à parte elétrica do projeto. "O SolidWorks Electrical engloba três produtos, um para projetistas elétricos que constroem esquemas em 2D, outro para integrar o projeto  elétrico dentro do projeto mecânico em 3D e ainda um para usuários que realizam as duas tarefas", explica Müller. 
 
"É muito útil, porque hoje em dia todos equipamentos e máquinas têm sistemas elétricos muito complexos", completa. Dentre as oito revendas brasileiras da SolidWorks, duas delas já estão comercializado o produto. Segundo o gerente técnico, espera-se que a partir de julho mais revendas estejam prontas para a venda do Solidworks Electrical. 
 
O SolidWorks Plastics é um produto voltado para a simulação de injeção de peças plásticas. "O trabalho de molde é caro e demorado, com o software teremos redução de erros em peças e ferramental. Ele responde às perguntas básicas: se a peça será preenchida, onde estão as linhas de solda e os aprisionamentos de ar", argumenta Müller. Para ele, o SolidWorks Plastics veio para auxiliar o projetista e ajuda na própria concepção do plástico. 
 
No Brasil, já há três revendas capacitadas e certificadas vendendo o produto. "As demais estão em processo de capacitação, treinamento e certificação e a previsão é que, a partir de abril, já tenhamos mais revendas certificadas e, portanto, prontas para a venda do SolidWorks Plastics", avalia Müller. 
 
De acordo com o gerente técnico, há algumas dezenas de licenças do SolidWorks Electrical e Plastics já vendidas no Brasil.
 
Mercado brasileiro
Segundo o vice-presidente mundial de vendas da Soliworks, Kenneth Clayton, a empresa não mudou os planos para o Brasil e espera crescer com as obras para as Olimpíadas e Copa do Mundo. Para Clayton a indústria de máquinas é um dos setores que mais investe em softwares da Solidworks no Brasil. 
 
O diretor da América Latina da SolidWorks, Oscar Siqueira, conta que o crescimento da Solidworks no Brasil ficou abaixo dos 10% em 2012.  O número exato não foi revelado, pois o balanço da empresa será divulgado neste mês. Siqueira lembra que há dois anos, o crescimento foi de 47%. "Tivemos importante conquista de market share no País, conquistamos várias dezenas de clientes de outros softwares. Este ano, queremos investir mais no Nordeste", afirma. Segundo Siqueira, a estimativa é que 2013 seja melhor para a SolidWorks no Brasil, graças a incentivos do governo e inúmeros projetos na área de engenharia.
 
Siqueira reforça a presença de produtos da SolidWorks também no setor de petróleo. "Temos 180 licenças sendo usadas pela Petrobras, porém é um segmento no qual a adoção de softwares tem um ritmo mais lento", diz. 
 
Para saber mais novidades apresentadas no SolidWorks World 2013, acesse aqui
 
 
Por Karine Wenzel/ CIMM
 
*Karine Wenzel viajou a Orlando a convite da DS SolidWorks 



Comentários