Papelada é entrave para 9 entre 10 industriais

Segundo estudo da CNI, 92% dos empresários afirmam que excesso de burocracia resulta em perda de competitividade.


Continua depois da publicidade


Estudo da CNI (Confederação Nacional da Indústria), obtido pelo jornal Folha de S. Paulo, revela que 92% dos empresários das indústrias da construção, transformação e extrativista atribuem parte de sua perda de competitividade ao excesso de burocracia.

Segundo o levantamento, o problema reflete nas vendas para o mercado nacional e internacional.Dos empresários entrevistados, 85% afirmam que teriam melhor desempenho se o governo enxugasse a quantidade de obrigações impostas pela legislação vigente. As mais citadas, entre elas, são as previstas na legislação trabalhista e na ambiental.
 
Nove em cada dez indústrias acreditam que perdem competitividade por causa da burocracia, diz pesquisa
A pesquisa foi feita com representantes de 2.388 indústrias. Foram ouvidas 867 pequenas empresas, 909 médias e 612 grandes. O período de coleta foi de 2 a 17 de abril de 2012.
 
Para 56% dos empresários, é necessário que sejam criados meios para facilitar o cumprimento das exigências.
 
"Fala-se muito em tributação, inovação e financiamento, mas a burocracia é um entrave imediato e afeta todo o ambiente econômico", afirma o gerente-executivo de pesquisa da CNI, Renato da Fonseca.
 
O especialista ressalta que a burocracia já faz parte da cultura brasileira.
 
"É o reflexo também de um Estado paternalista e que, ao mesmo tempo que parece cuidar de crianças, acredita que o cidadão está sempre querendo tapeá-lo."
 
Para 60% dos empresários consultados, o resultado prático dessa postura de governo é o aumento de gastos das empresas e a destinação de recursos para atividades não ligadas à produção.
 
Outro problema apontado pelo estudo é a frequente alteração das normas, que criam um ambiente instável para os negócios.
 
Sobre a pesquisa, o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior explicou que adota iniciativas de desburocratização, por meio de projetos criados para modernizar, simplificar e dar celeridade aos temas que ficam sob sua competência.
 
Não há, entretanto, um ambiente em que todas essas iniciativas se concentrem.
 
Por isso, segundo informações do ministério, a responsabilidade por melhorar esse processo é pulverizada pelos órgãos do governo federal, estadual e municipal.
 
Tecnologia
O aperfeiçoamento dos sistemas de controle do governo ou a informatização também não foram capazes de reduzir as críticas sobre a dificuldade e a lentidão dos processos.
 
Especialistas dizem que a burocracia encontrou, no novo modelo, espaço para crescer e se multiplicar, dando, por exemplo, origem a formulários cada vez mais longos, complexos e detalhados.
 
O presidente do Instituto Hélio Beltrão, João Geraldo Piquet Carneiro, defende que os procedimentos exigidos da indústria devam passar por uma revisão "radical".
 
"É necessário que haja decisão política e também muita coragem", disse.
 
"Sempre prevaleceu o medo de que a desburocratização levasse à queda de arrecadação, que já se confirmou ser irreal", reforçou.
 
Dono de uma indústria de médio porte em Brasília, fabricante de bolsas e calçados, o empresário Eduardo Ávila já teve de esperar um ano para conseguir uma certificação de um de seus itens de produção.
 
A empresa compra pele de animais exóticos de abatedouros regularizados, mas precisava do documento para exportar.
 
"Isso certamente beneficia quem não se submete às regras. Quem não quer cometer irregularidades paga o preço dessa demora", diz.
 
Por Julia Borba/ Folha de S. Paulo



Comentários