Alcoa investe US$ 14 milhões na expansão de perfis em SC

A produtora de alumínio aumentará a capacidade de produção na unidade de Tubarão (SC).

Prevendo crescimento de 5% ao ano no mercado de perfis brasileiro, a produtora de alumínio Alcoa vai investir US$ 14 milhões para expansão dessa área de negócios no Brasil. Os recursos serão destinados ao aumento da capacidade de produção da unidade de Tubarão, em Santa Catarina, além de melhorias operacionais nas demais unidades.

"Os eventos esportivos vão gerar demanda, com os novos hotéis, estádios... E, no segmento industrial, o mercado busca cada vez mais produtos de maior valor agregado. Vemos oportunidades na área de extrudados", afirmou ao Valor, o diretor dessa divisão de negócios da Alcoa, José Carlos Cattel.
 
Hoje, com capacidade para 54 mil toneladas por ano de perfis de alumínio voltados para os mercados de construção civil e industrial, a multinacional americana tem, além da unidade de Tubarão, as fábricas de Itapissuma (PE) e Santo André (SP).
 
Com a compra de uma nova prensa industrial para Tubarão, a capacidade da unidade vai sair de cerca de 20 mil toneladas para 30 mil toneladas de perfis anuais. A conclusão do projeto está prevista para o segundo semestre do ano que vem e os recursos vêm da geração de caixa do próprio negócio.
 
Mais de 60% da produção da Alcoa no Brasil vai para a construção. Em Tubarão essas atividades são integradas, podendo fazer o acabamento superficial da peça, por exemplo. "A fábrica atende os mercados do Sudeste e Sul e podemos desenvolver sistemas que envolvem estética, controle acústico, térmico", explicou o executivo.
 
Segundo ele, a estratégia da companhia para o crescimento em extrudados envolve a agregação de valor aos produtos, e a conquista do mercado externo - hoje, 10% desses negócios vêm das exportações, principalmente para a América Latina. Além disso, a empresa está desenhando parcerias com clientes, fabricantes de esquadrias de alumínio, por meio da formação de uma rede de distribuição.
 
O segmento de extrudados hoje representa cerca de 10% dos investimentos totais previstos pela multinacional no Brasil em 2012, que somam US$ 150 milhões. E o crescimento do setor previsto pela Alcoa não é o mesmo das projeções do mercado. Segundo a Associação Brasileira do Alumínio (Abal), o mercado de extrusão deve crescer 2,5%, para 341,7 mil toneladas neste ano. Em 2011, o segmento cresceu 3,5% no ano passado, totalizando 333,5 mil toneladas. "Para o segundo semestre, esperamos uma melhora no mercado, que apresentou estabilidade no primeiro", afirmou Cattel.
 
A Alcoa no Brasil - que atua em diversos segmentos da cadeia do alumínio - faturou R$ 2,5 bilhões em 2011, sendo que em 2010, o faturamento somou R$ 1,6 bilhão. O resultado global da empresa somou US$ 25 bilhões em 2011.
 
Por Vanessa Dezem/ Valor Econômico 
Tópicos:



Comentários