Empresas precisam explorar mais o potencial do PLM

Professor da Poli/USP apresentou seu estudos no encontro da PTC

As ferramentas proporcionadas pelos softwares de gestão do ciclo de vida de produtos (da sigla em inglês PLM) precisam ser melhor exploradas dentro das empresas, de acordo com o professor do Departamento de Engenharia da Produção da Poli/USP em palestra durante o PTC Live Executive Exchange, realizado no último dia 13 de junho em São Paulo.

Zancul estuda o sistema de gestão há 15 anos e atualmente trabalha no desenvolvimento de modelos de referência para o uso adequado de PLM. Ele também é responsável pela criação de um laboratório que permite a alunos de engenharia trabalhar com as soluções em ambiente próximo ao real para o desenvolvimento de produtos, e que conta com o apoio das principais fornecedoras desse tipo de ferramenta, dentre as quais se inclui a PTC.
 
“Hoje o mercado requer produtos mais complexos com ciclos de desenvolvimento e de vida cada vez mais curtos, o que exige das empresas maior rapidez e capacidade para fazer suas equipes trabalharem de forma integrada”, salientou Zancul. Na sua avaliação, é fundamental que haja maior controle do processo de desenvolvimento de produtos para que estes apresentem menos erros. Além disso, no Brasil, a busca por ganhos de produtividade no desenvolvimento torna-se cada vez mais importante, dada a escassez de pessoas qualificadas para atuar nessa área.
 
Na avaliação do acadêmico, mesmo as empresas que já estão utilizando o PLM, nem sempre exploram todo o seu potencial. “Em geral a solução tem sido implementada na área de engenharia, o que mostra o uso ainda limitado, uma vez que a grande vantagem oferecida pelo PLM é o de permitir a integração de todas as áreas envolvidas no desenvolvimento de produtos, como as de suprimentos, comercial, qualidade, marketing, entre outras”, destacou Zancul.
  
O seminário contou também com a participação de Christian de Carvalho, gerente de sistemas da Enfil Controle Ambiental, empresa fabricante e fornecedora brasileira de equipamentos e sistemas de controle de poluição do ar e tratamento de água e águas residuais, que falou sobre como a implantação do Windchill (a solução de PLM da PTC) otimizou o fluxo de trabalho e de gestão dos projetos da companhia. “Tivemos uma redução de 25% no tempo gasto para busca de informações, além de passarmos a contar com todo o histórico dos projetos, com todas as revisões e mudanças que foram feitas, quem as fez, processos de aprovação, e uma série de outras informações que agora ficam preservadas”, destacou.
 
A Enfil iniciou a implementação do Winchill em junho de 2010, inicialmente na área de engenharia para 10 usuários. Atualmente, 70 profissionais de oito departamentos utilizam o PLM. Entre os benefícios obtidos incluem-se a segurança e confidencialidade dos dados dos projetos, rastreabilidade do processo de elaboração de documentos, e maior controle sobre todos os processos da empresa.
Tópicos:
     



Comentários