CBO cria empresa para montagem de bloco de embarçações

A Companhia Brasileira de Offshore (CB0), controlada pelo grupo Fischer, dá hoje passo importante no projeto de expansão da empresa, que prevê investimentos de mais de US$ 900 milhões até 2014. A CBO inaugura, em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, a Aliança Offshore, empresa que vai montar blocos para embarcações de apoio marítimo do próprio grupo e de terceiros.

A empresa, instalada em terreno de 50 mil metros quadrados, é dedicada ao processamento de aço, tubulação, acessórios de casco e montagem de sub-blocos para embarcações de apoio marítimo. A empresa, na sua fase inicial, enviará uma carreta por dia com sub-blocos para o Estaleiro Aliança e duas carretas por semana para entrega de insumos e aço.A estrutura também vai abrigar as linhas de tratamento e pintura de chapas de aço, corte, dobra de chapas e perfilados, soldagem e sub-montagem de blocos, corte e dobra de tubulações, montagem de acessórios de casco.

Além de atender ao Estaleiro Aliança, a Aliança Offshore terá capacidade para prestar serviços para terceiros em qualquer obra de caldeiraria pesada, para outros estaleiros e para as obras de implantação das plantas industriais de processo do Comperj, em construção em Itaboraí, município vizinho a São Gonçalo.

A frota de navios também vai crescer. Aos 19 barcos em operação vão se somar nos dois próximos anos outras cinco embarcações. Além disso, a CBO conta, nos financiamentos assinados com o BNDES, com US$ 460,6 milhões para construir novos barcos de apoio, os quais dependem de licitações de afretamento da Petrobras para sair do papel.

A construção da Aliança Offshore foi financiada pelo BNDES, com recursos do Fundo da Marinha Mercante (FMM) do Ministério dos Transportes, integrando o projeto de expansão da CBO e do Estaleiro Aliança, para atender a demanda criada com os investimentos da Petrobras e outras petroleiras para aumentar a produção brasileira de petróleo e gás em alto mar.

Segundo o presidente da CBO, do Estaleiro Aliança e da Aliança Offshore, Luiz Maurício Portela, “a continuidade do plano de crescimento da CBO e do Estaleiro Aliança, aprovado pelos acionistas do Grupo Fischer, está estruturada na expansão da frota, implantação da Aliança Offshore com a unidade de reparos navais e a expansão do Estaleiro Aliança com aumento da sua capacidade de produção.

As instalações industriais da Aliança Offshore são compostas por máquinas de conformação como guilhotina, calandra, prensa vertical, prensa horizontal para perfilados, linha de corte automático de chapas de aço, máquinas de solda, linha de tratamento e pintura de chapas de aço, máquinas para conformação de tubulação, guindaste sobre rodas, 18 pontes rolantes e empilhadeiras.

Tópicos:



Comentários