2010 foi positivo, mas o que esperar de 2011?

O ano de 2010 terminou com um retrato positivo do setor industrial brasileiro, com crescimento de 10,5% - o maior desde 1986. Apesar das dificuldades com o câmbio, consequentemente com a exportação, e as mostras de que o país ainda é falho em mão de obra especializada, os números apontam que o fantasma da crise mundial ficou lá em 2009.

Segundo o IBGE, os principais setores responsáveis pela expansão da indústria foram o de máquinas e equipamentos (24,3%), veículos automotores (24,2%), produtos de metal (23,4%), metalurgia básica (17,4%), indústrias extrativas (13,4%) e outros produtos químicos (10,2%). Lembrando que essa comparação é relativa a 2009, quando a indústria foi fortemente atingida pela crise internacional.

Crescimento industrial por setor

As previsões para 2011 mostram que os números de crescimento deste ano serão menores que os que fecharam 2010, no entanto não é motivo para preocupações. O boom econômico do ano passado foi decisivo para equilibrar o setor, a partir de agora o país começa a se estabilizar. Com crescimento do PIB de 7,5% em 2010, o ministro da fazenda, Guido Mantega, estima que em 2011 o valor fique em torno de 4,6%.

As empresas estão investindo, vagas de empregos são abertas, o índice que mede o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (Nuci) é o mais alto desde o milagre econômico, na década de 1970, quando alcançou 90%. Em dezembro, o Nuci fechou em 84,9%, mostrando que a indústria brasileira está em um ritmo bom, apesar das importações estarem em constante crescimento por causa do dólar desvalorizado. Em 2010, as importações aumentaram 35,6%.

No entanto, apesar de um retrato aparentemente positivo, a recuperação dos segmentos industriais foi bastante heterogênea, com algumas áreas tendo o crescimento inferior ao esperado. É o caso da metalurgia básica, que teve sua produção 5% inferior ao período pré-crise, em 2008. As exportações do setor também declinaram, com queda de mais de 20%.

Apesar do índice que mede a confiança dos empresários ter se mantido estável em janeiro, em comparação com os últimos meses do ano passado, eles continuam otimistas. E o país está crescendo. Mas o que esperar de 2011? Para falar um pouco sobre as expectativas do setor, o CIMM planejou um Especial, onde publicará matérias sobre o que as empresas e entidades do setor esperam deste ano.

Tópicos:
  



Comentários