13º Simpósio de Sensoriamento Remoto

Serão divulgadas pesquisas, novas tecnologias e usos de imagens de satélite

Fonte: Ministério da Ciência e Tecnologia

Seis dias de intenso debate e ampla divulgação de pesquisas, novas tecnologias e usos de imagens de satélite é o que propõe o 13º Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, que teve início no sábado (21) e prossegue até o dia 26, no Centro de Convenções de Florianópolis (SC). Durante todo o fim-de-semana foram realizados 12 cursos, com carga horária de 16 horas, cada um.

Organizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe/MCT) e pela Sociedade de Especialistas Latino-americanos em Sensoriamento Remoto (Selper), o SBSR é considerado o maior evento nacional da área e conquista cada vez mais adeptos, especialmente pela popularização do uso de imagens de satélite.

Encontro das comunidades acadêmico-científica e usuária das tecnologias de sensoriamento remoto, o simpósio cresce a cada edição em número de participantes, de submissões de trabalhos e de apresentações.

A expectativa é de que o 13º SBSR reúna aproximadamente 1.400 pessoas, entre pesquisadores, técnicos e estudantes. A última edição, realização em 2005 em Goiânia, recebeu 1.100 participantes.

Serão 23 "eventos" diferentes, entre workshops, palestras convidadas, mesas redondas e sessões especiais. Também é bastante diversificado o programa acadêmico – a comissão técnica selecionou 963 trabalhos - com sessões orais e pôsteres.

Programação

As sessões especiais destacarão os programas espaciais internacionais, os satélites brasileiros de observação da Terra, os satélites comerciais de sensoriamento remoto, o radar para a Amazônia Mapsar e o Centro de Dados e Atendimento a Usuários de Imagens de Satélite do Inpe.

Já as mesas redondas discutirão o uso de sistemas de informações geográficas (SIG) na conservação da biodiversidade, a inovação tecnológica para o ensino e aprendizagem, e as perspectivas e desafios para o desenvolvimento do sensoriamento remoto.

E, entre os workshops confirmados, os assuntos são bastante diversificados – de mudanças ambientais globais a geotecnologias aplicadas à geologia, passando pelo monitoramento de queimadas, estatísticas agrícolas, sensoriamento remoto para o gerenciamento de ecossistemas costeiros, estudo de áreas urbanas e inventário de florestas, entre outros.

Devido à variedade de aplicações do sensoriamento remoto, o SBSR tem sessões dedicadas aos mais variados temas, como Geologia, Floresta, Agricultura, Hidrologia, Oceanografia, Monitoramento Ambiental, Planejamento Urbano e Regional, Cartografia, Sistemas, Sensores, Processamento de Imagens, Geoprocessamento, Ensino e Educação.

O evento oferece oportunidades para divulgação dos trabalhos técnico-científicos que utilizam dados de sensoriamento remoto, troca de experiências entre os profissionais, ampliação do conhecimento da aplicação das tecnologias de sensoriamento remoto e geoprocessamento, além de favorecer a cooperação interinstitucional. Também é importante destacar que os melhores trabalhos acadêmicos serão premiados, uma forma de valorizar o emprego do sensoriamento remoto pelos jovens.

Veja a programação completa do Simpósio www.dsr.inpe.br/sbsr2007



Comentários