Pesquisas apontam o potencial da energia solar

Foto: Divulgação

Partindo do princípio de que, em uma hora, há mais energia solar incidindo sobre a Terra do que toda a energia consumida pelas diferentes formas de vida do planeta em um ano, o homem precisa, mais do que em qualquer outra época, encontrar melhores maneiras de captar, armazenar e usar esse grande potencial energético de forma rentável.

O raciocínio é compartilhado no mundo científico pelo professor Ian Forbes, do Northumbria Photovoltaics Applications Centre da Universidade de Northumbria, no Reino Unido.

Forbes destaca desde o início do ano em congressos pelo mundo e, inclusive no Brasil, o potencial e os desafios para os próximos anos da pesquisa em energia solar fotovoltaica, que promove a conversão direta da luz do sol em eletricidade por meio da junção de semicondutores que absorvem a radiação.

O pesquisador ressalta que o uso da energia fotovoltaica tem crescido rapidamente, impulsionado por diferentes mecanismos de suporte ao mercado, ainda que esse crescimento esteja muito abaixo do esperado. Apesar de a produção de energia elétrica em todo o mundo por meio de células fotovoltaicas ser de apenas 3 gigawatts em 2007, isso representou um aumento de 55% sobre a produção registrada no ano anterior.

Quando participou de um evento da Fapesp no início do ano, Forbes destacou a importância dessa energia alternativa. Segundo ele, calcula-se que todos os continentes tenham a capacidade de suprir uma demanda de aproximadamente 18 terawatts de eletricidade, e o Brasil está incluído nessa estimativa, com uma capacidade de 200 a 250 watts por metro quadrado, um potencial extremamente elevado. No Brasil e em outros países da América do Sul, onde os níveis de incidência solar são maiores do que nos países da Europa, são grandes as oportunidades no setor, por isso, o especialista sugeriu que a capacitação tecnológica e industrial em território nacional comece a ser desenvolvida imediatamente para não perdê-las de vista.

Para ele, o Brasil tem o dobro dos níveis de insolação da Alemanha, país que abriga o maior mercado no mundo desse tipo de energia por produzir mais de 40% de sua eletricidade a partir de fontes fotovoltaicas. Entretanto, destaca Forbes, os principais desafios que ainda devem ser vencidos são a redução de custo da energia fotovoltaica e o aumento da eficiência dos materiais, visando à sustentabilidade a longo prazo.

A União Européia, que, segundo Forbes, abriga os países que mais dispensam esforços nessa área em termos de pesquisa e desenvolvimento, em um primeiro momento trabalhava com a meta de substituir 4% da eletricidade mundial pela energia fotovoltaica até 2030, mas agora os países do bloco econômico e político estão redefinindo essa previsão para atingir novas metas até 2020.
Tópicos:



Comentários