Comércio exterior gera 1,2 milhão de empregos em 2008

Pesquisa da FIESP indica que apenas as trocas com a China resultaram em perda de vagas

Foto: Divulgação

O comércio exterior brasileiro, com saldo comercial de US$ 24,7 bilhões em 2008, foi responsável pela geração de 1,2 milhão de empregos no País. O número foi calculado pela Fiesp em estudo que analisa o impacto do comércio internacional na geração de postos de trabalho.

Conforme o estudo, cuja metodologia baseia-se nas contas nacionais do IBGE, as exportações do Brasil para os principais parceiros comerciais garantiram a geração de 5,6 milhões de vagas formais e informais no ano. No entanto, 4,4 milhões de empregos foram “exportados” com as compras externas.

Comércio x emprego
Entre os países e blocos econômicos analisados, apenas a China teve contribuição negativa, de 303 mil vagas, para o saldo positivo de 1,2 milhão de empregos gerados com o comércio internacional.

As trocas com o país asiático, que teve participação negativa de 15% no saldo comercial brasileiro, foram responsáveis pela criação de 611 mil empregos e perda de 914 mil postos de trabalho com as importações.

“A China vende produtos que têm mais trabalho agregado [bens de consumo], e o Brasil exporta mais recursos naturais. Nossas vendas para os chineses são pouco diversificadas”, explica André Rebelo, gerente do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon) da Fiesp/Ciesp.

As exportações nacionais para a União Europeia geraram quase 700 mil vagas internas. As trocas com Estados Unidos foram responsáveis pela criação de 167 mil empregos, com o Mercosul 212 mil, e com o restante da América Latina 430 mil. Dos parceiros selecionados, o Brasil só possui déficit comercial com a China – aproximadamente US$ 3,6 bilhões em 2008.

Pauta Brasil-China

Os cinco maiores setores que vendem produtos para a China concentram 88% da cesta de exportações. Entre eles, a soja em grão (38,7%) e o minério de ferro (35,5%). Já as importações são mais diversificadas: os cinco principais segmentos respondem por 48% da pauta. No topo da lista, produtos químicos orgânicos e materiais eletrônicos.

As compras de bens de consumo chineses foram responsáveis pelo maior saldo negativo de empregos (291 mil vagas). O maior saldo positivo veio das negociações de matérias-primas com o país asiático – 366 mil postos (77%).

De acordo com o levantamento, apesar dos elevados valores das exportações para a China, poucos empregos são criados:

  • Nas vendas de matérias-primas, para cada milhão de dólares exportado cria-se, em média, 29,6 empregos;
  • Nas compras de bens de consumo, para cada milhão de dólares importado perde-se, em média, 74,5 postos de trabalho, concentrados nos setores: têxteis, vestuário, couro e calçados, borracha e plástico, móveis.

Em cinco anos, o saldo de empregos no comércio Brasil-China caiu 326%. Em 2003, as trocas comerciais entre os países geravam um saldo positivo de 134 mil vagas. Em 2006, houve uma inversão de cenário: perda de 58 mil vagas, número que se intensificou em 2007 (-183 mil) e 2008 (-303 mil).
Tópicos:
  



Comentários