Começa Fórum Internacional do Software Livre

Fonte: Agência Brasil - 12/04/07

Uma das principais reuniões mundiais sobre programas de computador compartilhados começa hoje (12) no Centro de Convenções da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs). É a 8ª edição do Fórum Internacional Software Livre (FISL), encontro que reúne os maiores técnicos do paí­s e empresas de grande porte para discutir como melhorar e compartilhar os conhecimentos sobre essa tecnologia.

Os participantes vão discutir e trocar informações sobre o uso de programas com código aberto nas mais diversas áreas, como segurança, educação, economia, política, cultura e comunicação. Quase 500 atividades estão programadas para os três dias do encontro, entre elas oficinas, palestras e apresentação de experiências por empresas públicas e privadas que optaram pelo sistema. Em 2006, mais de 5 mil pessoas de 24 países estiveram na capital gaúcha para o encontro.

O governo federal participa este ano com palestras de representantes de empresas que usam essa programação, como o Banco do Brasil, que já economizou R$ 20 milhões com a utilização da ferramenta. Haverá também um estande onde serão mostradas algumas experiências públicas. A Agência Brasil, que utiliza o código aberto e é licenciada no sistema jurídico internacional Creative Commons - que permite o uso, a modificação e a venda do conteúdo, desde que citada a fonte - será um dos destaques.

Durante o evento, vai ser lançado oficialmente um portal para compartilhar os programas de computador que o governo federal produz em código aberto aberto. A idéia é de que a administração pública possa ter acesso a programas desenvolvidos pelo próprio governo, evitando sobreposição de custos.

Um dos organizadores do FISL, Mario Teza, destaca três pontos importantes deste ano. A Arena de Programação Livre, um espaço semelhante ao da Olimpíada de Matemática, colocará programadores para resolver problemas de sistemas livres. Os vencedores têm chance de serem contratados por grandes empresas ponto com, como a Google, que também participa do evento. Em seu estande, por exemplo, são selecionados profissionais para trabalhar na empresa.

Outro destaque é a Rodada de Negócios Livres. A idéia, segundo Teza, é "ter no mesmo espaço quem precisa de tecnologia e quem produz". Ele faz questão de lembrar, entretanto, que o FISL não tem caráter mercadológico. Trata-se, diz, de um local de troca, onde as pessoas "compartilham conhecimento e cultura".

O terceiro destaque é que, pela primeira vez, o evento contribuirá para impedir o aquecimento global: serão plantadas 998 árvores em uma área degradada da Mata Atlântica. A idéia é neutralizar todo o gás carbono emitido durante o fórum. O cálculo da emissão de CO2 é feito pela organização não-governamental (ONG) Iniciativa Verde, parceira do encontro.



Comentários