Parceria vai impulsionar pesquisa em saneamento e energia renovável

A diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa, e o diretor superintendente da Fundação Parque Tecnológico de Itaipu (PTI), Juan Carlos Sotuyo, assinaram o termo de cooperação técnico-científica para desenvolver pesquisas em saneamento ambiental e energias renováveis.

Para a Maria Arlete Rosa, essa união facilitará a busca de novas tecnologias para o setor. “Além do incentivo às pesquisas para o desenvolvimento sustentável, esta parceria vai contribuir para a melhoria da operação dos sistemas de água e de esgoto”, explica. O diretor-superintendente do PTI disse que a atuação com a Sanepar vai trazer resultados positivos. “Esperamos que esta parceria seja perene e resulte em inovação tecnológica”, completa.

Estão previstas ações e programas que contribuam para o desenvolvimento regional que incentivem a pesquisa nas áreas de energia, provenientes da utilização de biomassa (resíduos do tratamento de esgoto), aplicação de energia renovável no saneamento ambiental, hidroinformática na gestão de recursos hídricos, gestão de resíduos sólidos urbanos e a Universidade do Saneamento.

Programas como o da energia distribuída, que é a utilização do gás metano (resíduo do tratamento de esgoto doméstico) para a produção de energia elétrica, já estão em andamento e devem apresentar os primeiros resultados no primeiro semestre de 2008. Outro programa em andamento é a transformação do lodo das estações de tratamento de água em artesanato. A próxima prioridade será a efetivação da Universidade do Saneamento.

POSTO – Além da assinatura do Termo de Cooperação Técnico-Científico, foi inaugurado o posto avançado da Sanepar dentro do Parque Tecnológico de Itaipu. Neste espaço vão trabalhar funcionários e estagiários da empresa que serão responsáveis pelo andamento dos projetos. Segundo o assessor da diretoria de Itaipu, Cícero Bley Junior, “este espaço representa a união dos setores de energia e saneamento, que juntos têm a missão de incentivar o desenvolvimento sustentável,” comenta.

O espaço físico reservado à Sanepar deverá ter o nome do engenheiro Celso Savelli Gomes. Segundo Maria Arlete, esta indicação é em homenagem ao engenheiro, por sua dedicação e seu trabalho em prol do saneamento no Paraná. “Savelli foi um pioneiro no setor de saneamento e nada mais justo do que homenageá-lo”, disse.

Savelli foi o idealizador do sistema de tratamento de esgoto sanitário por meio de processo anaeróbico, conhecido como Ralf, o que permitiu que os resíduos do tratamento do esgoto pudessem ser reciclados. Neste processo de reciclagem está a possibilidade da transformação do gás metano em energia ou combustível e a utilização do lodo do esgoto na agricultura.

Para o engenheiro a homenagem representa o reconhecimento de um trabalho inédito e que foi repassado para uma geração de sanitaristas que, hoje, pode aproveitar os resíduos do tratamento do esgoto doméstico para fins energéticos. “Para mim, é uma satisfação ter reconhecido um trabalho que proporcionou uma mudança filosófica, ao fazer com que a poluição pudesse ser transformada num grande benefício para a população, com a transformação dos resíduos em energias renováveis”, finaliza o engenheiro.

O engenheiro Celso Savelli Gomes começou a trabalhar na Sanepar em 1972 e, depois de 36 anos de trabalhos prestados à empresa, se aposentou no dia da inauguração do posto avançado.



Comentários