Klabin anuncia investimento adicional de R$ 2,6 bilhões no Paraná

Os recursos serão usados para a instalação de uma máquina de papel cartão e se somam ao aporte anunciado em 2019, resultando em R$ 12,9 bilhões de investimentos no Estado em cinco anos (2019-2023).


Continua depois da publicidade


A Klabin anunciou na última quarta-feira (5) em comunicado ao mercado que investirá R$ 2,6 bilhões adicionais no projeto Puma II, em Ortigueira, nos Campos Gerais, Paraná. Os recursos serão usados para a instalação de uma máquina de papel cartão e se somam ao aporte anunciado em 2019, resultando em R$ 12,9 bilhões de investimentos no Estado em cinco anos (2019-2023).

"O Paraná recebe com muito entusiasmo essa notícia. A Klabin é uma parceira histórica do Estado, emprega mais de 10 mil pessoas direta e indiretamente. Mesmo com o cenário de pandemia, a empresa renovou seu compromisso de investimento, o que garante um ciclo de prosperidade e desenvolvimento social para os Campos Gerais e diversos outros municípios", afirmou o governador Carlos Massa Ratinho Junior.

Ele conversou com o CEO da empresa, Cristiano Teixeira, depois do anúncio oficial. "Temos muito orgulho de representar o Estado do Paraná, que tem a região mais competitiva do mundo na fabricação desse cartão", relatou o executivo.

PUMA II

O investimento é fruto de uma mudança de direção do projeto Puma II, que contempla a expansão de capacidade no segmento de papéis para embalagem, por meio da construção de duas máquinas de papel com produção de celulose integrada, na unidade industrial Puma em Ortigueira. 

A primeira etapa, que deve começar a rodar em julho, consiste na construção de uma linha de fibras principal para a produção de celulose não branqueada integrada a uma máquina de papel kraftliner e kraftliner branco (white top liner) com capacidade de 450 mil toneladas anuais. Essa programação está mantida.

A segunda, que originalmente contemplava a construção de uma máquina de papel kraftliner, após a revisão dos estudos mercadológicos, de engenharia e de viabilidade econômica, contará com a instalação de uma máquina de papel cartão integrada a uma linha de fibras complementar, com capacidade de produzir 460 mil toneladas anuais. A construção da segunda etapa terá início imediato, com previsão de início da operação no segundo trimestre de 2023.


Continua depois da publicidade


A mudança do projeto levou em consideração o crescimento do mercado de cartões, produto sustentável, impulsionado pelo potencial de substituição de plástico de uso único; a diversificação do mix de produtos; a estabilidade histórica do preço de cartões; e a consolidação da Klabin como produtor global de cartões LPB e cartões CUK.

A alteração do escopo demandará um investimento bruto adicional de R$ 2,6 bilhões. Assim, o investimento do Puma II, atualizado pela variação cambial e inflação, e incluindo o investimento incremental para a conversão da máquina da segunda etapa para a produção de papel cartão, totalizará R$ 12,9 bilhões, dos quais R$ 1,2 bilhão em impostos recuperáveis.

Deste montante, segundo a Klabin, R$ 5,8 bilhões foram desembolsados até março de 2021 e o restante será desembolsado até 2023. 

Lançamento do Projeto

O Puma II foi anunciado em abril de 2019. Na época, o projeto estava avaliado em R$ 9,1 bilhões. Na Unidade Puma (ou Puma I), a Klabin já produz celulose branqueada (fibra curta, fibra longa e fluff), com capacidade anual de 1,6 milhão de toneladas.




Comentários