Volvo e Daimler (Mercedes-Benz) se unem para produção de células de hidrogênio para ônibus e caminhões

Operações para tecnologias limpas da Daimler serão absorvidas por nova empresa e Volvo vai injetar 600 milhões de euros

Daimler, proprietária da marca Mercedes-Benz,  Volvo, dois gigantes na produção de ônibus e caminhões anunciaram nesta terça-feira, 21 de abril de 2020, um acordo para criação de uma joint venture que vai desenvolver, pesquisar, produzir e comercializar pilhas de células de hidrogênio para veículos pesados, tanto de carga como de transporte coletivo.

Nas operações habituais os dois grupos continuarão concorrentes, mas com a nova empresa, o objetivo é poupar recursos principalmente em desenvolvimento e pesquisa, além de melhorar a logística da distribuição das pilhas.

A Daimler vai incorporar toda sua operação atual em células de hidrogênio à nova empresa e a Volvo vai adquirir 50% da joint venture, com 600 milhões de euros.

Os dois serão sócios de forma igualitária.

A atual crise econômica mundial, provocada pelo novo coronavírus, foi um dos elementos para que as conversas fossem aceleradas.

Sem união de recursos e esforços, os projetos de ambas as empresas isoladas poderiam sofrer grandes atrasos.

Além do uso do hidrogênio para ônibus e caminhões, outro objetivo é atender segmentos não automotivos.


Continua depois da publicidade


A joint venture incluirá as operações em Nabern / Alemanha (atualmente sede da Mercedes-Benz Fuel Cell GmbH) com instalações de produção na Alemanha e no Canadá.

O objetivo é conseguir um acordo final até o terceiro trimestre e o fechamento antes do final de 2020. Todas as transações em potencial estão sujeitas a exame e aprovação pelas autoridades responsáveis ​​pela concorrência.

Ambos os grupos se preparam para a meta europeia de que até 2050 todos os meios de transportes terão emissão zero.

Por meio de nota, o presidente do Conselho de Administração Daimler Truck AG e Membro do Conselho de Administração da Daimler AG, Martin Daum, disse que o acordo é um marco para levar ônibus e caminhões a hidrogênio para as estradas o quanto antes.

“O transporte e a logística mantêm o mundo em movimento, e a necessidade de transporte continuará a crescer. O transporte verdadeiramente neutro em CO2 pode ser realizado através de trens de força elétricos, com energia proveniente de baterias ou convertendo hidrogênio a bordo em eletricidade. Para os caminhões lidarem com cargas pesadas e longas distâncias, as células de combustível são uma resposta importante e uma tecnologia em que a Daimler adquiriu conhecimentos significativos através de sua unidade de células de combustível Mercedes-Benz nas últimas duas décadas. Essa iniciativa conjunta com o Grupo Volvo é um marco para levar caminhões e ônibus movidos a células de combustível para nossas estradas.”

O presidente e CEO do Grupo Volvo, Martin Lundstedt, se mostra otimista quanto ao hidrogênio nos ônibus e caminhões, mas alerta para a necessidade de investimentos em infraestrutura para o combustível.

“A eletrificação do transporte rodoviário é um elemento-chave na entrega do chamado Green Deal, uma Europa neutra em carbono e, finalmente, um mundo neutro em carbono. Usar o hidrogênio como transportador de eletricidade verde para abastecer caminhões elétricos em operações de longo curso é uma parte importante do quebra-cabeça e um complemento para veículos elétricos a bateria e combustíveis renováveis. Combinar a experiência do Grupo Volvo e Daimler nesta área para acelerar a taxa de desenvolvimento é bom tanto para nossos clientes quanto para a sociedade como um todo. Ao formar esta joint venture, estamos mostrando claramente que acreditamos em células a combustível de hidrogênio para veículos comerciais. Mas, para que essa visão se torne realidade, outras empresas e instituições também precisam apoiar e contribuir para esse desenvolvimento, inclusive para estabelecer a infraestrutura de combustível necessária.”




Comentários