Henkel investe R$ 40 milhões em nova unidade no complexo de Jundiaí

Companhia transfere produção da planta de Diadema que será encerrada

O BVMI confirmou que a Henkel Brasil investiu R$ 40 milhões na expansão de seu complexo industrial em Jundiaí-SP e irá desativar unidade em Diadema-SP. A nova planta industrial é dedicada a produção de soluções para pré-tratamento de superfícies de metais (MPT).

“A nova unidade industrial representa um incremento de 30% da capacidade instalada da fábrica”, declarou o diretor de operações para América Latina, Rafhael Benetazzo, durante a cerimônia de inauguração da planta, ocorrida esta semana.

O MPT é utilizado por indústrias como a automotiva, eletrodomésticos e latas de bebidas. Segunda a companhia, a transferência da produção de Diadema para Jundiaí se deve a ganhos logísticos e a possibilidade de expansão da capacidade.

Foi oferecido aos funcionários a oportunidade de transferência ou um plano de demissão voluntária (PDV). A nova planta conta com 20 colaboradores. No total, o complexo de Jundiaí têm 250 funcionários, distribuídos em quatro unidades e um centro de desenvolvimento.

“Desses R$ 40 milhões, R$ 4,2 milhões foram destinados para equipamentos, automação, controle de processos e segurança”, detalhou o gerente da planta, Thiago Rufino.


Continua depois da publicidade


De acordo com o gerente da unidade de negócios e vendas de metais e latas da Henkel para a América Latina Sul, Anderson Guerrero, um dos motivadores do investimento foi a crescente demanda do mercado de latas de alumínio, especialmente do setor de bebidas.

“Em 2018, foram fabricadas mais de 20 bilhões de latas no Brasil, puxado pelo mercado de cervejas. As principais fabricantes são clientes da Henkel.”

Ele destaca que, enquanto o consumo mundial está desaquecido, o Brasil é um mercado referência no setor de bebidas. “O País tem um potencial enorme, o consumo per capita ainda é baixo”, assinala.

Nos últimos anos, grandes players do segmento realizaram grandes investimentos. Em 2016, a Ball adquiriu a Rexam por US$ 6,1 bilhões e passou a ter o maior parque instalado de fábricas de latas de alumínio do País.

Em 2017, o Grupo Ardagh anunciou a abertura de uma nova unidade de produção de tampas para latas em Manaus (AM). No ano passado, a Crown Holdings comunicou a construção de uma fábrica de embalagens metálicas em Goiás. Todos esses investimentos você já acompanhou aqui no BVMI, pois são oportunidades industriais que já foram aproveitadas pelos clientes CityCorp que utilizam o Projeto OObi.

“Toda a cadeia de latas utiliza soluções Henkel. A companhia detém 70% de participação nesse mercado”, destaca Guerrero.

Ele aponta que a nova unidade em Jundiaí irá permitir uma rápida expansão da produção para atender um eventual crescimento de demanda.

“A fábrica vai operar em apenas um turno. A capacidade pode dobrar facilmente.”Além de não trazer essa possibilidade de crescimento, a fábrica de Diadema traz dificuldades logísticas, em função do adensamento urbano que ocorreu ao redor da unidade.

Comprada pela Henkel em 2008, a fábrica de Jundiaí conta com 80 mil metros quadrados e agora agrupa quatro plantas importantes: hotmelt, base água, poliuretano e pré-tratamento de superfícies.

“O trabalho que realizamos para inaugurar a nova planta foi longo, mas extremamente gratificante para todo o nosso time. Agora contamos com um espaço amplo e moderno, que nos permite antecipar, desenvolver e produzir cada vez mais produtos com tecnologias inovadoras e com ganhos para o meio ambiente e nossos clientes”, disse o presidente da Henkel para Brasil e América Latina, Manuel Macedo.




Comentários