Tinta antimicrobiana é uma inovação tecnológica que promete salvar vidas


Continua depois da publicidade


De acordo com dados da Associação Nacional de Biossegurança, 100 mil pessoas morrem anualmente no país por contaminações contraídas em hospitais e clínicas onde foram buscar tratamento para outras doenças. Uma das inovações tecnológicas criada há 10 anos está ajudando a reverter esse quadro. A tinta antimicrobiana oferece um mecanismo promissor para combater a presença de um amplo espectro de micróbios, incluindo bactérias, mofo, fungos e até mesmo vírus.

Em 2019, um grupo de pesquisadores americanos do Instituto Politécnico Rensselaer, nos Estados Unidos, criou esse revestimento em nanoescala, que erradica a MRSA (Methicillin Resistant Staphylococcus aureus), a chamada superbactéria.

Durante os testes, 100% da MRSA em solução morreram dentro de 20 minutos em contato com uma superfície pintada com tinta látex misturada com o nanorrevestimento.
Segundo os pesquisadores, a tinta pode ser aplicada em instrumentos cirúrgicos, móveis e até mesmo nas paredes dos hospitais.

Segredo da tinta antimicrobiana

Os cientistas explicam que o segredo da tinta antimicrobiana está na mistura de nanotubos de carbono com a lisostafina, uma enzima natural utilizada por cepas não-patogênicas de bactérias Staph para se defender contra a Staphylococcus aureus, incluindo a MRSA.


Continua depois da publicidade


A enzima é ligada aos nanotubos de carbono por uma cadeia de polímero flexível, aumentando a sua capacidade de atingir as bactérias MRSA. O compósito nanotubo-enzima resultante pode ser misturado em qualquer acabamento de superfície. Nos testes, ele foi misturado com tinta látex comum, usada para pintar paredes.

Ao contrário dos demais revestimentos antimicrobianos, a cobertura age de forma tóxica somente para a MRSA, não depende de antibióticos e não libera substâncias químicas no ambiente ao longo do tempo.

As bactérias mortas também não entopem o sistema, que continua ativo, podendo ser lavado várias vezes sem perder a eficiência. “A lisostafina é muito seletiva, não funcionando contra outras bactérias e não sendo tóxica para as células humanas. Nós passamos um bom tempo demonstrando que a enzima não sai da tinta durante os experimentos”, diz Dordick.

A BioCote produz tintas antimicrobianas que são vendidas comercialmente, oferecendo um mecanismo promissor para combater as superbactérias. O mais interessante é que as mesmas substâncias químicas presentes em produtos antibacterianos usados na limpeza de hospitais e equipamentos médicos são conhecidos por promover as cepas antibacterianas, matando bactérias boas e ruins da mesma forma.

Portanto, foi comprovada a eficácia e a segurança da tinta antimicrobiana em hospitais e clínicas, sendo uma ferramenta a mais no controle de doenças, mesmo as causadas pelas superbactérias.

Nota orienta sobre comércio de tintas com ação saneante

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) divulgou recentemente a Nota Técnica n. 9, com o seu posicionamento sobre a comercialização de tintas com ação saneante, ou seja, com ação antimicrobiana, inseticida ou repelente.

No texto, a agência explica os requisitos necessários relacionados ao comércio desses produtos, utilizados para auxiliar no combate a mosquitos transmissores de doenças como dengue, zika, chikungunya e malária.

As orientações são destinadas a fabricantes e interessados em adquirir essas tintas, principalmente as de uso profissional ou que possuem venda restrita. Atualmente, o tema está em discussão do problema regulatório, fase em que são estudadas as alternativas para enfrentamento da questão.




Comentários