Volvo CE vai exportar 54% da produção local em 2019

Além da América Latina, EUA, Europa, Oriente Médio e Ásia serão outros mercados importantes

A fábrica brasileira da Volvo Construction Equipment, instalada em Pederneiras (SP), exportará este ano 54% de sua produção de caminhões articulados, pás carregadeiras, compactadores de solo e escavadeiras hidráulicas.

O principal destino é a América Latina (19%), mas Estados Unidos (13%), Ásia-Pacífico (12%), Europa e Oriente Médio (9%) também recebem os equipamentos montados na cidade de cerca de 45 mil habitantes a 330 quilômetros da capital paulista.

“Apesar da queda do mercado argentino, conseguimos um equilíbrio pelo envio de máquinas ao Peru e ao Chile”, afirma o presidente da Volvo Construction Equipment para a América Latina, Luiz Marcelo Daniel.

Com área total de 390 mil metros quadrados e 75,4 mil m² de área construída, a planta de Pederneiras emprega 324 trabalhadores na fábrica e outros 55 nos setores administrativos. A produção ocorre em dois galpões. Um deles fabrica as escavadeiras hidráulicas. O outro monta os caminhões articulados, pás carregadeiras e compactadores. 

A área tem cinco estações de robôs e pode receber mais uma até o fim do ano. As soldas são feitas tanto em uma seção automatizada como de forma manual. Um equipamento de ultrassom em 3D permite a verificação detalhada das soldagens. Pederneiras é a provedora exclusiva dos caminhões articulados A25G e A30G para os Estados Unidos, que consomem 70% da produção desses fora-de-estrada.


Continua depois da publicidade


Processos utilizados

A fábrica também adota o processo de usinagem a seco, o que elimina o odor e os vapores de óleo dos métodos usuais. E a usinagem por dois braços simultâneos permite ganho considerável de tempo. 

Apertadeiras eletrônicas ajudam a padronizar o torque e equipamentos instalados na linha de montagem reduzem o esforço daqueles que trabalham na produção. Além das boas perspectivas para o mercado externo, a Volvo CE aposta em alta de 10% na venda de máquinas de construção no Brasil.




Comentários