Produção de máquinas crescerá perto de 25% no ano

Indústria brasileira montará 66 mil unidades, superando projeção da Anfavea para 2018

A produção nacional de máquinas agrícolas e rodoviárias somou no acumulado de janeiro a novembro 60,2 mil unidades e registrou alta de 19,4% sobre igual período do ano passado. O total em 11 meses já é bastante próximo da projeção anual para o setor, que fechará o ano não com 61 mil, mas cerca de 66 mil unidades e alta de 24,5% em vez de apenas 15%.

A produção conta com a ajuda do mercado interno e em alguma medida com as exportações, já que o setor é menos dependente da Argentina que outros segmentos. Como comparação, o embarque de automóveis caiu 15,6% na comparação interanual e o de máquinas, apenas 6,7%. Os números foram divulgados pela Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea).

Como exemplo, a produção de tratores de esteiras até novembro somou 3,8 mil unidades e cresceu 103% na comparação com iguais meses do ano passado. E as exportações desse tipo de máquina somaram mais de 3 mil unidades e cresceram 82,3%. Em regra elas são enviadas para a América do Norte.

Mercado interno cresce 12%


Continua depois da publicidade


A venda interna de máquinas agrícolas e rodoviárias somou de janeiro a novembro 43,3 mil unidades e anotou alta de 11,9% sobre iguais meses de 2017. O maior volume foi o de tratores de rodas, com 35,7 mil unidades e acréscimo de 8,8% na comparação anual. Mas o crescimento em 2018 foi alavancado pelo aumento de demanda por outros modelos. As colheitadeiras totalizaram no período 4,7 mil unidades, alta de 25,3%.

“Elas tiveram bom crescimento neste período e até o fim do ano vão compensar em parte a queda de venda de tratores que sempre ocorre entre novembro e janeiro”, afirma o vice-presidente da Anfavea, Alexandre Bernardes.

Outra alta expressiva foi das retroescavadeiras, que se aproximaram de 1,9 mil unidades no acumulado do ano. O volume é 73,9% maior que o vendido em iguais meses do ano passado.

“Essa alta reflete um aumento de demanda na construção civil, mas a retroescavadeiras têm sido bastante utilizadas no suporte agrícola para aumento da produtividade”, diz Bernardes, citando o uso dessas máquinas no cultivo de arroz e em projetos de irrigação.




Comentários