Hyperloop terá centro de pesquisa para transporte do futuro no Brasil

Em Contagem (MG)


Continua depois da publicidade


Quando Elon Musk divulgou pela primeira vez a ideia do Hyperloop, em 2013, ela parecia ambiciosa demais. Um sistema que transporta vagões em tubos a vácuo a até 1.200 km/h? No entanto, diversas startups vêm tentando tornar isso realidade.

Uma delas é a Hyperloop Transportation Technologies (HTT). Ela tem sede nos EUA, e anunciou que abrirá um centro de pesquisa no Brasil, em Contagem (MG).

O XO Square terá 4.000 m² para abrigar uma divisão de pesquisa sobre logística, e um laboratório para fabricação de componentes do Hyperloop. O terreno foi cedido pelo município de Contagem.

Trata-se de uma parceria público-privada (PPP) com investimento de R$ 26 milhões em sua primeira fase. Desse total, R$ 13 milhões virão da SEDECTES (Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Ensino Superior), do governo de Minas Gerais; e a outra metade virá da HTT e de investidores privados.

O centro tem apoio oficial da FAPEMIG (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais) e da FIEMG (Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais).

A cidade de Contagem foi escolhida por ser um importante centro de logística no Brasil. Ela concentra uma série de galpões de armazenamento, e tem linhas de trem para transporte de produtos — 10% da exportação de grãos de todo o Brasil passam por lá.


Continua depois da publicidade


“O município de Contagem, em particular, é um dos centros de distribuição logística mais significativos para o Brasil”, diz Bibop Gresta, presidente da HTT, em comunicado. A empresa também tem um centro de pesquisa em Toulouse, na França.

Há outras startups tentando realizar a ideia de Musk. Uma delas é a Virgin Hyperloop One, que recebeu investimentos do bilionário Richard Branson. Em testes, seu sistema atingiu velocidade máxima de 387 km/h.

O próprio Musk está investindo no Hyperloop, através da SpaceX — que realiza competições para equipes que investem no projeto — e da Boring Company.




Comentários ()