Lucro da Romi cresceu 31,5% no 1º semestre chegando a R$ 40,2 mi

Fonte: Assessoria de Imprensa da Romi - 03/08/07

A Indústrias Romi S.A., líder nacional nos mercados de máquinas-ferramenta e injetoras de plástico, encerrou o primeiro semestre com lucro líquido R$ 40,2 milhões, valor 31,5% superior ao registrado no mesmo período do ano anterior. No segundo trimestre, o lucro líquido totalizou R$ 22,1 milhões, com aumento de 9,1% em relação a igual período do ano anterior, mesmo considerando o efeito das despesas com a Oferta Pública de Ações, ocorrida em Abril. "Esse desempenho é reflexo do aumento do volume de vendas, motivado pelo cenário macroeconômico positivo, e também do contínuo controle das despesas operacionais", afirma Américo Emílio Romi Neto, diretor-presidente da empresa.

O EBITDA ajustado, indicador de geração de caixa que mede os lucros antes da dedução de juros, impostos, depreciação e amortização e das despesas com a Oferta Pública de Ações, alcançou R$ 57,7 milhões no semestre, com crescimento de 50,2% sobre igual período de 2006. No segundo trimestre o EBITDA ajustado foi de R$ 33,8 milhões, superior em 43% ao mesmo período de 2006.

"Apesar da valorização do real, que estimula a entrada de máquinas importadas no país, a Romi atingiu os seus objetivos de crescer as vendas e as margens bruta e operacional", diz Sérgio Novo, diretor administrativo e de relações com os investidores da empresa.

Destaques do trimestre

  • A receita operacional líquida consolidada do trimestre foi de R$ 153,2 milhões, 11,9% superior ao do mesmo período de 2006. No acumulado do semestre, totalizou R$ 278,6 milhões, com aumento de 16,1% em relação ao mesmo período do ano passado.
  • A venda de máquinas injetoras de plástico no trimestre registrou crescimento de 23,4% em comparação com segundo trimestre de 2006, em função da consolidação de novos produtos no mercado e do aquecimento do mercado de plásticos.
  • O aumento de vendas da área de fundição chegou a 25,7% no trimestre, em comparação com o mesmo período de 2006, consolidando o incremento das margens, principalmente em decorrência da conquista de novos clientes e da expansão da unidade fabril.
  • Foram captados R$ 242 milhões mediante emissão de ações, para dar andamento aos planos de expansão e consolidação dos negócios da Romi.
  • A empresa adquiriu os ativos da divisão de reforma de máquinas-ferramenta pesadas e extrapesadas da CNC Service, visando o atendimento à estratégia de crescimento nos setores ligados às indústrias de base e infra-estrutura.
Tópicos:



Comentários