Trumpf garante retomada da indústria na Expomafe

Visitantes foram em busca de novidades para modernizar o parque fabril, aponta diretor-presidente da empresa.


Continua depois da publicidade


Líder global em tecnologia laser, soluções e sistemas para a indústria de manufatura e processamento de chapas metálicas, a TRUMPF do Brasil esteve na Expomafe e confirma a qualidade da feira. De acordo com o diretor-presidente da companhia, João C. Visetti, a presença no evento foi importante para a realização de novos contatos.

A boa receptividade dos visitantes mostra que o clima está positivo. Segundo Visetti, a melhor expectativa vem de empresas que já começam a ter um volume de trabalho maior e querem modernizar o parque fabril para aumentar a competitividade.

Novidade na Expomafe, na área de manufatura aditiva, a TruPrint 1000 foi a grande atração do estande da TRUMPF. A impressora 3D utiliza o processo Laser Metal Fusion (LMF), onde a peça é construída camada por camada a partir de um substrato coberto por pó. Todos os componentes são integrados em uma estação de trabalho compacta: unidade laser, óptica, câmara de processamento, unidade de filtro e unidade de controle. Peças pequenas, como próteses dentárias e de quadril, moldes e protótipos médicos e peças da indústria aeroespacial, por exemplo, podem ser construídas a partir dessa técnica, com ganhos de eficiência.


Continua depois da publicidade


Segundo Visetti, esse mercado alcançará seu auge quando as pessoas vislumbrarem o potencial e a liberdade de projeto que a manufatura aditiva oferece e utilizarem estas vantagens: “As peças ainda são fabricadas em maior tempo se comparado a métodos tradicionais, mas possibilitam a inclusão de estruturas ou cavidades internas proporcionando uma redução de peso que, dependendo do caso, pode ser maior que 30%. Além disso, o processo de manufatura aditiva reduz totalmente o risco de porosidade na peça, graças ao uso do laser”, afirma.

Pioneira em impressão 3D, a TRUMPF chegou ao mercado no final da década de 1990 com a TrumaForm, mas o mercado ainda não estava preparado para receber a nova tecnologia. “Retornamos há cerca de dois anos com uma nova família de máquinas TruPrint, porque acreditamos que esse é um dos caminhos do futuro da manufatura de peças para setores específicos”, explica Visetti.




Comentários