Brasil e Argentina querem estreitar relações com o México

Em encontro, Temer e Macri dizem que pretendem aproveitar a crescente onda de protecionismo dos EUA na busca do Mercosul por mercados.

Brasil e a Argentina querem laços comerciais mais estreitos com o México e outros países da Aliança do Pacífico que serão atingidos pelo crescente protecionismo dos Estados Unidos, disseram os presidentes dos dois países na terça-feira (7).

Em uma visita de Estado a Brasília, o presidente da Argentina, Mauricio Macri, disse que o Mercosul deve buscar laços mais estreitos com o México, a maior economia da América Latina depois do Brasil.

A Aliança do Pacífico é um bloco comercial latino-americano que inclui México, Chile, Colômbia e Peru.

Sem citar diretamente a vitória de Donald Trump nas eleições dos EUA, Macri ressaltou que o momento é positivo para o Mercosul buscar novos acordos comerciais - o que, num raro momento de convergência, é prioridade dos dois países.

"Há vários países interessados em ampliar sua relação conosco", disse, citando como exemplo os países latino-americanos da Aliança do Pacífico. E ressaltou que Brasil e Argentina estão em diálogo com o México. "Claramente, essa mudança de cenário faz com que o México olhe para o Sul com mais decisão", disse, numa referência às restrições que Trump promete fazer no comércio com aquele país. Ele acrescentou que, ontem, conversou por telefone com o presidente do México, Enrique Peña Nieto.

O argentino ressaltou o tamanho da delegação de técnicos que o acompanhou na visita ao Brasil, algo sem precedentes. E disse que, dos acordos assinados hoje, o mais importante foi a carta que ele e Temer assinaram juntos para enviar ao presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Luis Alberto Moreno, pedindo apoio para a convergência de normas técnicas, sanitárias e fitossanitárias na região, com vistas à criação de uma agência binacional. "Será outro salto histórico que não só facilitará a livre circulação, mas também a integração produtiva". No comércio mundial, os padrões técnicos, sanitários e fitossanitários são frequentemente utilizados como barreiras ao comércio. (Lu Aiko Otta e Carla Araújo).


Continua depois da publicidade


Tabus

Sem mencionar assuntos considerados mais espinhosos - como divergências sobre o regime de autopeças argentino e o pedido  do Brasil para que o país vizinho autorize o comércio de açúcar -, Temer afirmou, em declaração à imprensa ao lado do presidente Argentino, Maurício Macri, que "não há tabus nas relações entre Brasil e Argentina". "Por mais complexas que sejam, não há assuntos que não possam ser tratados", disse.

Um pouco antes da fala do presidente foram anunciadas as assinaturas de alguns memorandos entre os dois países, mas nenhum relacionado aos temas tidos como mais sensíveis. Segundo Temer, o encontro de hoje - o terceiro dele com Macri em seis meses - "consolida a retomada da tradição de encontros presidenciais" entre os dois países.

O presidente brasileiro destacou que os dois países possuem "desafios semelhantes" e que na conversa trataram deste momento "de especial convergência". "Temos a urgência do crescimento econômico e da geração de empregos", afirmou. "É preciso aproveitar a convergência dos dois países em favor de brasileiros e argentinos."
Temer reforçou que os dois governos têm apostado em reformas e que seu governo tem "sido ousado para fazer as reformas necessárias no Brasil". "Tenho acompanhando da mesma forma como o senhor Macri também vem conduzindo suas reformas", disse.

Acordos

Os dois presidentes assinaram uma carta ao presidente do BID pedindo a realização de estudos sobre viabilidade de criação de uma agência para a convergência regulatória de Brasil e Argentina. Além disso, os ministros que integraram as comitivas assinaram um memorando de Entendimento sobre Cooperação em Diplomacia Pública e Digital, que tem "como objetivo promover o entendimento mútuo da estrutura, do funcionamento e da experiência em Diplomacia Pública entre as Chancelarias dos dois países, com ênfase na utilização de ferramentas de mídias sociais para comunicação das diretrizes e realizações das respectivas políticas externas".

Foi assinado ainda um ajuste Complementar ao Acordo entre a República Federativa do Brasil e a República Argentina sobre Localidades Fronteiriças Vinculadas, para a Prestação de Serviços de Assistência de Emergência e Cooperação em Defesa Civil. Esse ajuste visa a responder a demanda das comunidades fronteiriças. O Ajuste Complementar prevê, entre outros dispositivos, que as partes designarão pontos focais em cada localidade fronteiriça vinculada para coordenar a prestação dos serviços de emergência e defesa civil dos dois lados da fronteira.

Foi ratificado ainda um memorando de Entendimento sobre Cooperação Consular e Políticas para Comunidades Emigradas, que tem como finalidade o estabelecimento de Grupo de Trabalho Consular.

Por fim, foi assinado após o encontro dos dois presidente um acordo Marco de Cooperação entre a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos e a Agência Argentina de Investimentos e Comércio Internacional. 




Comentários