Abimaq acha difícil 2017 ser pior que 2016 e aposta em demanda reprimida

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Velloso, aposta numa demanda reprimida por novas tecnologias capaz de impulsionar a produtividade no Brasil, o que seria positivo para o setor que representa. A projeção de uma crise política em 2017, porém, desanima os fornecedores, que, sem perspectiva, não se motivam a buscar financiamento para crescer.

"A demanda está reprimida. Que dia ela vai acordar? Não sei. Olhando pelo lado político, 2017 será um ano de crise. O investimento quer acontecer, mas há a trava política. Ainda assim, acho difícil que o ano que vem seja pior do que este", afirmou Velloso, após participar de evento no Rio, em que demonstrou a associados a apresentação feita ao presidente da República, Michel Temer, com números do setor e reivindicações.

Pelas contas da Abimaq, neste ano, o setor terá faturamento líquido constante (ajustada a inflação) de cerca de R$ 70 bilhões. Até outubro, faturou R$ 68 bilhões e, em 2015, R$ 87 bilhões. O desempenho da indústria de máquinas e equipamentos está em decadência desde 2013, quando o faturamento líquido fechou em R$ 115 bilhões.


Continua depois da publicidade


A pauta de reivindicação apresentada a Temer não é nova: refinanciamento dos débitos fiscais, fortalecimento do papel de fomentador do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e câmbio competitivo são os principais pedidos. "O Banco Central está destruindo o setor produtivo", complementou Velloso, reclamando do alto patamar da taxa básica de juros.

Há ainda uma pauta específica sendo tratada com o Ministério de Minas e Energia (MME), relativa ao setor de petróleo e gás natural. Na visão da Abimaq, as grandes petroleiras, entre elas a Petrobras, estão em lado oposto ao da indústria nacional fornecedora de máquinas e equipamentos, por buscarem a flexibilização da política de conteúdo local.

A Abimaq tenta garantir os benefícios dados aos importadores por meio do Repetro, que isenta de impostos a compra no exterior, sobretudo, de bens para a construção de plataformas. O Ministério da Fazenda tem marcado encontros para ouvir todo o setor sobre a possível extensão do regime especial, mas, segundo o presidente da entidade, nenhuma posição oficial foi externada até agora.

Outro debate gira em torno da flexibilização das regras de conteúdo local, uma nova política, batizada de Pedefor, que deve ser analisada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE), na próxima quarta-feira (14).

A Abimaq expôs os seus argumentos a favor da indústria nacional ao ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho, em reunião realizada no dia 30, mas, segundo Velloso, saiu do encontro, mais uma vez, ainda sem uma posição clara por parte do governo federal sobre a solução que será dada para atrair o investimento das petroleiras sem comprometer a geração de emprego localmente.




Comentários