Messe Brasil espera receber 20 mil profissionais durante a Intermach 2015

A feira acontece até sexta-feira (4), em Joinville (SC).

Nesta terça-feira (1), representantes da indústria catarinense e autoridades participaram da solenidade de abertura da Intermach - Feira e Congresso de Tecnologia, Máquinas, Equipamentos, Automação e Serviços para a Indústria Metalmecânica. A cerimônia aconteceu na noite de ontem, no pavilhão da Expoville, em Joinville, Santa Catarina.

Richard Spirandelli, diretor da Messe Brasil – empresa organizadora do evento – abriu a solenidade lembrando a importância da feira para a região Sul, a maior do Estado voltado para o setor metalmecânico e uma das mais importantes do País, segundo o diretor. Nesta 10ª edição, o evento conta com 300 marcas expositoras e espera receber cerca de 20 mil profissionais até o dia 4. Com um número expressivo de empresas de outros estados, Spirandelli ressaltou que a feira representa a força da indústria catarinense para o País.

O diretor destacou que o evento conta com dez empresas alemãs e sete empresas de robótica. Durante o evento acontecem também as rodadas de negócios com 15 empresas âncoras e, paralelamente, ocorre o Congresso de Inovação Tecnológica - Mecânica e Automação (Cintec), organizado pela UniSociesc para aproximar profissionais da indústria e, também, estudantes da área.


Continua depois da publicidade


Crise

O diretor regional da Abimaq (Associação Brasileira de Máquinas e Equipamentos) Santa Catarina, Vendelino Titz, aproveitou seu tempo ao microfone para lamentar a queda da participação da indústria nacional. Porém, Titz lembrou que, há um mês, a Abimaq foi a Brasília e lançou uma frente parlamentar para defender os interesses do setor. “É possível retomar o Brasil em médio prazo, colocá-lo de volta aos trilhos e esse é um desejo da Abimaq”, finalizou.

Em um breve discurso, o prefeito de Joinville, Udo Dohler, manteve a mesma linha que o diretor da Abimaq, porém ressaltou que “é preciso mais que otimismo”. “Mais que a crise econômica é a crise política que nos incomoda”, disse.

Visitantes chegam à Intermach no primeiro dia de evento.
Imagem: Karina Pizzini/ CIMM



Comentários