Ferroeste investe R$ 4 milhões na compra 5 locomotivas e 400 vagões

Esta é a maior aquisição da empresa paranaense em 30 anos.

Com um investimento de mais de R$ 4 milhões, a Ferroeste faz a maior aquisição de maquinário em 30 anos de empresa. Os equipamentos - cinco locomotivas e mais 400 vagões graneleiros - virão da empresa Ferrovia Centro-Atlântica (FCA). Os equipamentos serão entregues a partir de setembro. 

Com a ampliação, a Ferroeste pretende dobrar a capacidade de transporte e atender a crescente demanda da safra de verão do Oeste do Paraná, escoando da região de Cascavel até Guarapuava. O faturamento da empresa irá aumentar em 50%. 

“O governo Beto Richa trabalha para aumentar a eficiência da Ferroeste, buscando atender o Oeste paranaense, reduzindo custos para o setor produtivo”, disse o secretário estadual de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.

CINCO ANOS - Esta é a segunda aquisição de equipamentos nos últimos dois anos. As cinco locomotivas vão se somar a outras duas adquiridas em 2013. Com isto estarão em circulação 15 máquinas. O salto maior será no número de vagões, que aumenta de 60 para 460. 

Em cinco anos de gestão, o governo Beto Richa já investiu mais de R$ 8 milhões na compra de equipamento para modernizar a Ferroeste. Nos anos de 2007 a 2010, os investimentos na Ferroeste foram de apenas R$ 490 mil.

Para o presidente da Ferroeste, o bom rendimento da empresa se deve, também, as parcerias no Terminal Logístico da Ferroeste de Cascavel. O último empreendimento neste local foi da Cooperativa Cotriguaçu, cujos valores são R$ 200 milhões.

Maracaju a Paranaguá

Outra ação que a Ferroeste e a Secretaria Estadual de Infraestrutura e Logística é trabalhar para viabilizar a nova ferrovia entre Maracaju (MS) até Paranaguá, no Litoral do Paraná. A nova ferrovia permitiria o escoamento direto da produção do Oeste do Estado em direção aos portos paranaenses. Com isto, será possível reduzir custos.


Continua depois da publicidade


“O Governo do Paraná age de maneira proativa ajudando a União a viabilizar este projeto. Tudo o que estava ao nosso alcance foi executado, agora depende do governo federal”, afirmou secretário de Infraestrutura e Logística, José Richa Filho.




Comentários