Gerador eólico sem pás de hélice é projetado para reduzir impacto visual e auditivo

O novo gerador sem lâminas foi criado para produzir eletricidade sem partes rotativas, em um espaço muito pequeno e com apenas um sussurro de ruído.

Ela lembra um junco gigante que balança com o vento, mas se trata de um protótipo de gerador eólico sem pás de hélice da empresa Vortex, que produz energia elétrica com pouquíssimas partes móveis, deixando uma pegada ecológica minúscula e em quase absoluto silêncio.

Projetada para reduzir os impactos visuais e sonoros dos geradores tradicionais com hélice, o conceito utiliza a energia dos vórtices do vento.

Muitos opositores das turbinas a hélice se preocupam com o risco que elas oferecem para aves e outros animais voadores, bem como com sua operação ruidosa e, especialmente nos casos de geradores comerciais, com o enorme tamanho das instalações. Tratando-se ou não de desculpas para aqueles que preferem permanecer com as tecnologias antigas e comprovadas de geração de energia elétrica, as turbinas eólicas convencionais têm esses efeitos colaterais que tendem a frear a sua aceitação e uso.

São esses fatores que fazem com que os criadores acreditem na vantagem da tecnologia que desenvolveram. A unidade é relativamente compacta e utiliza a oscilação de um mastro em reação aos vórtices de ar gerados pelo vento para movimentar uma série de elementos magnéticos posicionados próximos à base da estrutura, gerando eletricidade.

Apesar de não ser tão eficiente quanto às turbinas a hélice de alta velocidade, este fato é compensado pela menor quantidade de partes móveis do gerador que, de acordo com os criadores, é até 80% mais econômico na manutenção. Associado ao fato de, supostamente, ser 50% mais barata para fabricar e apresentar uma redução de 40% na pegada ecológica, em comparação às turbinas convencionais.

Há diversos outros conceitos alternativos para geradores eólicos, como a turbina “Solar Aero” e o “Saphonian”, este contando com um sistema de pistões hidráulicos.

A Vortex, por sua vez, se propõe a utilizar o movimento oscilatório do vento e não diretamente a sua “força”. O sistema explora o padrão repetitivo e alternado de vórtices que é gerado pelo escoamento do fluido (no caso, o ar) ao redor de um objeto sólido, conhecido como efeito de Von Karman.   


Continua depois da publicidade


Isso quer dizer que, em conjunto, unidades Vortex podem ser posicionadas mais próximas umas das outras do que no caso de geradores a hélice, visto que distúrbios no escoamento se tornam muito menos críticos. Devido a isso, a geração de energia por área de um destes conjuntos de Vortex também deve ser maior que o de um conjunto de turbinas convencionais.

O primeiro modelo comercial será chamado Mini: uma unidade focada em aplicação residencial e para comércio de pequena escala, com 12,5m, para geração de 4kW.  Um modelo maior, chamado Gran, está em desenvolvimento e deve ser capaz de gerar até 1MW, dedicado à aplicação industrial e para companhias de eletricidade.

Para consolidar a produção, a equipe da Vortex lançou uma campanha de financiamento coletivo.
 

*Tradução livre CIMM, texto original aqui.




Comentários