Alemanha transforma água em gasolina

Empresa química aperfeiçoa processo criado há 90 anos e que foi utilizado na Segunda Guerra.

A Sunfire, empresa alemã do setor químico, criou um processo surpreendente que permite converter água (H2O) e dióxido de carbono em hidrocarbonetos líquidos, como diesel e gasolina. Com nome comercial de “Power-to-Liquid”, a tecnologia é baseada no conceito Fischer-Tropsch, criado em 1925 pelos químicos alemães Franz Fischer e Hans Tropsch.

A diferença para o procedimento original é que a Sunfire utiliza um eletrolisador de células de óxido sólido que transforma a energia elétrica, gerada por painéis solares e usinas eólicas, em vapor d’água. Desse subproduto é retirado o material utilizado no processo.

Uma das vantagens apontadas pela Sunfire é que o calor produzido pelas operações e reações químicas gera mais vapor, que é novamente processado, criando uma eficiência energética de cerca de 70%.

Imagem: Divulgação/ SunFire

O método de 1925 tinha apenas 30% de resultado. O processo consiste em uma série de reações químicas que ocorrem no intervalo de temperatura entre 150 e 300°C. O equipamento criado pela empresa alemã ainda está em fase de testes. Por isso, é capaz de converter 3,2 toneladas de CO2 em apenas um barril de gasolina por dia.

CEO da Sunfire, Christian von Olshausen afirma que a companhia pretende desenvolver o sistema para a operação em escala industrial. “Agora é uma questão de encaixar os fatores regulatórios para dar segurança aos investidores. Se queremos alcançar autonomia em relação aos combustíveis fósseis a longo prazo, precisamos começar agora.”

História

O avanço deste tipo de tecnologia na Alemanha não surpreende, já que, além de ter sido criada no país, ela foi amplamente utilizada durante a Segunda Guerra Mundial.


Continua depois da publicidade


Embora tenha grandes reservas de carvão, o país é pobre em petróleo. Por isso, o processo Fischer-Tropsch foi responsável por produzir cerca de 9% de todo o combustível utilizado pelas tropas alemãs durante o conflito global.




Comentários