TCP vai investir R$ 1,1 bilhão até 2049 para renovar concessão

Investimento em obras de ampliação é contrapartida para prorrogação antecipada do contrato de arrendamento, aprovado pela Antaq.

O Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP) vai investir R$ 1,1 bilhão nos próximos 35 anos. O valor, anunciado ontem, é a contrapartida proposta pelo terminal para que a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) prorrogue antecipadamente a concessão da área por mais 25 anos. O plano, aprovado pela agência nacional, permite que o contrato de arrendamento seja prorrogado até 2049 – pelo contrato atual, a concessão terminaria em 2024.

Agora, o processo será encaminhado para a Secretaria Especial de Portos da Presidência da República (SEP), que deve protocolar a prorrogação. Ao longo do trâmite, a SEP já manifestou que a proposta do novo período de concessão e do plano de investimentos eram vantajosos para a União e usuários do terminal. Com a nova Lei de Portos, aprovada no ano passado, a renovação antecipada de contratos de terminais privados só pode acontecer mediante a aprovação de um plano de investimentos considerada satisfatória pela secretaria e Antaq.

Os investimentos serão divididos em duas fases. A primeira delas se iniciará em 2016 e deve ser concluída em 2018. Neste período, o TCP planeja investir R$ 540 em obras de ampliação e adequação do terminal. O plano prevê que o cais de atracação seja ampliado em 220 metros, passando a ter 1,1 quilômetro de extensão. A área do terminal também será ampliada de 320 mil metros quadrados para 500 mil metros quadrados, além da construção de dolphins exclusivos para a atracação de navios que transportam veículos.


Continua depois da publicidade


Ao final da primeira fase, o TCP ampliará sua capacidade de movimentação de 1,5 milhão de TEUs (unidade de medida equivalente a contêineres de 20 pés)por ano para 2,5 milhões de TEUs. “Mais do que aumentar a capacidade, a nossa ideia é dar maior eficiência e qualidade no serviço”, afirma o CEO do TCP, Luiz Antonio Alves. Hoje, o TCP movimenta um total de 820 mil TEUs.

Depois, na segunda fase, prevista para acontecer a partir de 2018, serão R$ 550 milhões destinados à manutenção e troca dos equipamentos até o final do novo período de concessão.

Escala

Segundo o CEO do TCP, as obras de expansão são fundamentais para que o terminal atenda com eficiência os grandes navios que chegam à Paranaguá. “Os maiores navios que passam por aqui têm cerca de 330 metros de extensão. O aumento do cais e da nossa área total é fundamental para que possamos atender três deles simultaneamente, por exemplo, ganhando produtividade”, explica Alves. Segundo ele, o tamanho médio dos principais navios usados no comércio internacional cresce de 10% a 15% ao ano, o que justifica a concentração de investimentos em área.

O TCP é o segundo maior terminal de contêineres da América do Sul e encerrou recentemente uma fase de investimentos que totalizou R$ 365 milhões em ampliação e modernização do terminal.

Arrendamento

A Secretaria Especial de Portos da Presidência da República (SEP) publicou no Diário Oficial da União da última quarta-feira uma portaria que regulamenta os processos de prorrogação antecipada dos contratos de arrendamento portuário. O objetivo da portaria é assegurar a realização de investimentos imediatos com vistas à expansão, modernização e otimização das instalações portuárias, uniformizar e padronizar os critérios de análise das solicitações e dar publicidade e transparência aos trâmites e critérios de análise.

A SEP poderá prorrogar antecipadamente os contratos de arrendamento em vigor desde que eles tenham sido firmados sob a vigência da Lei dos Portos de 1993 e possuam previsão expressa de prorrogação ainda não realizada.

No momento, estão protocolados pelo menos 20 pedidos de antecipação de prorrogação, que somam mais de R$ 7,3 bilhões em investimentos. . Com o aval da Antaq, as propostas seguem para análise, aprovação e assinatura final por parte da SEP.

Tópicos:



Comentários