Os sete erros mais recorrentes na hora de investir

Falta de foco, baixa diversificação e excesso de autoconfiança são alguns dos principais equívocos dos investidores.

Investir, certamente, é a melhor maneira de construir uma reserva para o futuro, além de garantir a realização de sonhos de consumo de forma saudável e consciente. No entanto, escolher a melhor opção de investimento não é uma tarefa fácil, nem para os mais experientes. Cenário econômico de incertezas, custos operacionais altos, pouca transparência de algumas instituições financeiras, falta de conhecimento e de tempo... São tantas variáveis, que incorrer em erros na hora da tomada de uma decisão é algo muito mais comum do que imaginamos.
 
Mas como evitar que estes equívocos acabem por impactar negativamente na rentabilidade ou até gerar prejuízos para o investidor? Segundo Aline Rabelo, coordenadora do Investmania, o primeiro passo é se preocupar permanentemente com a qualidade das informações que estão formando as suas convicções. “Para minimizar as chances de errar nessa escolha tão importante é preciso, antes de qualquer coisa, autoconhecimento. Pergunte-se: qual é o meu perfil? Sou conservador, moderado ou agressivo? Tenho a resiliência necessária para enfrentar mercados de risco? Por quanto tempo tenho disponibilidade para manter este recurso aplicado? Meu objetivo é a aposentadoria ou desejo adquirir um bem ou realizar uma viagem? As respostas a essas questões já sinalizam a modalidade de investimento adequada para cada investidor, o que evita frustrações futuras”, alerta.
 
A executiva explica agora quais são os 7 erros mais comuns que as pessoas cometem na hora de investir e como evitá-los:
 
- Não manter o foco necessário em seus investimentos, segundo Aline, o investidor não pode, em hipótese alguma, perder o foco em seus investimentos e dos objetivos que pretende alcançar. Acompanhar as notícias e o comportamento de seus ativos é primordial, além de checar extratos e posições fornecidas pelas instituições financeiras. “Se o investidor estiver comprando ações, por exemplo, é essencial que fique atento ao desempenho das empresas a que elas pertencem, afinal de contas, quem compra uma ação se torna sócio de uma companhia. É como diz o ditado, é o olho do dono que engorda o boi, não é? E a internet é, na atualidade, uma excelente ferramenta para este tipo de acompanhamento”, destaca.
 
- Não diversificar é um dos erros mais graves que o investidor pode cometer. pleta Aline. muito grande. utro.  stante com jovens investidores muito dinheiro. “Isso só é aceitável para os mais iniciantes, que começam com pequenos investimentos em modalidades mais conservadoras como a poupança”, alerta. Para Aline, assim que o investidor começa a formar uma reserva um pouco mais significativa, diversificar se torna imprescindível, pois, além de ser uma forma de proteger o capital, é uma maneira de se conquistar remunerações mais competitivas, operando em diversas modalidades de investimentos.

- Um terceiro erro comum é parar de investir após a primeira dificuldade ou decepção. Muitas pessoas se desesperam com um prejuízo inicial e desistem de poupar. “A dica para enfrentar isso é ter calma e não ter receio de continuar. Mesmo que tenha uma dificuldade no começo, é essencial identificar o que causou o problema e evitar percorrer o mesmo caminho no futuro. É preciso aprender com os erros e entender que eles fazem parte da trajetória”, avalia Aline.
 
- Vulnerabilidade a modismo também é um erro que pode levar os investidores a grandes prejuízos. “Antes de escolher um produto para se investir é importante entender o que está motivando o seu desempenho. Quem investe em ações, por exemplo, não pode se deixar levar pela velha máxima ‘compre na baixa’ e ‘venda na alta’. Quem se influencia apenas pelo preço de um ativo, e não é um trader profissional, pode perder o capital rapidamente”, ressalta. 
 
- Questionar e pesquisar muito são algumas das características dos investidores de sucesso, por outro lado, tirar conclusões a partir de poucos dados pode ser fatal. “Confronte a opinião de analistas, troque experiências com outros investidores, enfim, forme a sua opinião a partir da diversidade de informações qualificadas. No Investmania, por exemplo, o participante tem à sua disposição, gratuitamente, todas essas possibilidades. 42 mil usuários já utilizaram e aprovaram este canal especialmente desenvolvido para o investidor que deseja estar sintonizado ao mercado de investimentos”, sugere Aline.
 
- O sexto erro dos investidores é ter visão de curto prazo. “Investir é ter visão de futuro. A pressa é inimiga da perfeição, principalmente em mercados como o de renda variável”, contemporiza.
 
- Por último e não menos frequente entre os investidores, está o excesso de autoconfiança. “O grande problema é que quando a autoconfiança cresce, a percepção de riscos diminui, aumentando a chance de erros graves”, finaliza a coordenadora do Investmania.

Tópicos:



Comentários