Análise da guerra


Continua depois da publicidade


Wilson Sergio, colaborador

Uma determinada vez, há aproximadamente 2 anos; Saddam Hussein foi entrevistado por uma mulher, e a mesma perguntou se ele não se preocupava com os EUA. Ele então revidou em uma parábola, perguntando a jornalista se em um campo aberto uma raposa estivesse correndo atrás de um coelho, quem ganharia a corrida.

 - Logicamente que seria a raposa, pois ela é mais rápida - respondeu prontamente. - O coelho será vencedor! Afirmou Saddam com convicção. - Mas a raposa é mais esperta. É um animal muito astuto. - Mas o coelho dará um jeito de engana-la. Novamente Saddam com a mesma prontidão na resposta. - Por quê?

 - Porque o coelho corre pela sua vida e a raposa apenas pela sua refeição. Estava respondida a questão: afinal os EUA sempre desejaram seu petróleo, e controlar o país se tornou uma questão de prioridade a qualquer custo. E atualmente estamos assim: Porque Saddam Hussein não revidou durante os avanços das tropas da coalizão? Uma ótima questão! Saddam Hussein é um mestre em táticas militares, ele é oriental, e versado no livro A Arte da Guerra de Sun Tzu, sabe-se que é um eterno sobrevivente, com os escapes da Guerra do Golfo, os inatingíveis abrigos subterrâneos(com suprimentos para anos), os sósias, etc.

Planejamento é a resposta, sim Saddam está com o planejamento em dia. Mesmo os mais mortais assassinos enviados por diversos países com a finalidade de mata-lo falharam, ou pior, desapareceram. E as perguntas que não querem calar? - Porque ainda não deu sinais de vida no início da guerra? E depois porque ele aparecerá sorridente? - Porque Bagdá não empregou todos os meios de defesa? - Porque sua Guarda Republicana, sua tropa de elite, ainda não apareceu? - Porque o avanço da coalizão para dentro do território iraquiano está rápido e fácil demais? - Porque mesmo com pequenos grupos e armas antigas a resposta tem sido feroz? - Porque não usa os cem mísseis restantes, nem as armas compradas no mercado negro? - Porque não usa as tão faladas armas de destruição em massa? 
 
PLANEJAMENTO é a resposta. Sim, Saddam planejou minuciosamente essa guerra, ele não dispõe de armamentos eficazes como todos sabem, grande parte de seu povo o detesta e isso não é novidade. Sua fama como ditador não é bem vista por todo o mundo. E daí o marketing dele está feito: Falem mal mas falem de mim! Ele simplesmente está aguardando a hora certa, ele prometeu uma recepção calorosa e dolorida ao inimigo em Bagdá. Com sua pouca resistência está atraindo o inimigo para a luta definitiva, e mostrará toda a sua fúria aos americanos que a esta altura estão com a arrogância nas alturas, avançando com facilidade.

Nunca se ataca um exército disposto a morrer por seu país, dentro de seu território! Um cão acuado mostra os dentes afiados e limpos como sinal de que lhe restam defesas e a resposta às provocações podem ser devastadoras. Afora isso a guerra psicológica do ataque Choque e Pavor, não faz efeito em um povo que cresceu em meio a guerras seculares, é possível em meio aos “cirúrgicos” bombardeios, crianças brincando de bicicletas em bairros vizinhos.

Eles não mudam sua rotina. Não é de se estranhar? Confiam tanto em seu líder que deveríamos prestar atenção que a guerra psicológica está sendo reversa, americanos estão sob alerta vermelho e laranja intermitente. A opinião pública mundial é contra. E o “fogo amigo” é mais eficaz que gastar as próprias munições. Líderes de vários países ou estão contra ou estão desesperados em apoiar os EUA, mas toda a parceria não é totalmente sincera. A guerra diplomática com a Europa é inevitável.

Ninguém quer dividir a conta de uma guerra que um começou sozinho sem o apoio da ONU, e pretende administrar o país literalmente conquistado! Ninguém gostou da imposição imperialista. A guerra já é mundial, os protestos ganham número e poder. Saddam não precisará usar armas químicas ou biológicas para vencer a guerra, ele já a venceu sem nenhum disparo. Os EUA sairão desmoralizados, falidos na guerra,(o dinheiro para a manutenção do ataque está acabando) a reconsrução do país não será fácil, no fundo terão feito muito barulho por nada, comprarão a briga com outros que não estão envolvidos. Israel está com medo.

O antiamericanismo no mundo cresceu em número e proporção nunca antes imaginada. A arrogância do inimigo de Saddam é um aliado iraquiano melhor que qualquer míssil. A Coréia do Norte dá sinais de disposição para contratacar. Nem a precisão dos temidos Tomahawks foi tão avassalador quanto ao terror criado na América, o medo do terrorismo, a inquietude das vidas comuns, e no final, mesmo que Saddam venha a desaparecer, seu nome ficará gravado na história. Nesta guerra existe muita fofoca, fala-se muito do terreno, das várias baixas americanas. Quanto a Bush dividir o custo da guerra, bem esse não está planejado, nem poderá ser pago, afinal:

PARA A VIDA NÃO EXISTE PREÇO! PAZ! 

Tópicos:



Comentários