Para o BC, política fiscal será 'neutra' em 2015

Para o BC, política fiscal será 'neutra' em 2015

O Banco Central (BC) entende que, até setembro de 2015, a política fiscal conduzida pelo Tesouro Nacional pode se tomar neutra, do ponto de vista macroeconômico. Isto é, a política fiscal, que trata da arrecadação e dos gastos do governo, deixará de exercer pressão sobre os preços e, assim, auxiliar o BC no controle da inflação.
 
Sem querer se comprometer com uma avaliação, o diretor de Política Econômica, Carlos Hamilton Araújo, afirmou que no passado recente "o Copom (Comitê de Política Econômica) considerava que a política fiscal era expansionista, e desde agosto, olhando para os 12 meses à frente, avaliamos que há condições para que a política fiscal caminhe para a neutralidade, no horizonte de política monetária". Questionado sobre qual seria o horizonte, Araújo respondeu: "o fim do terceiro trimestre de 2015".
 
No jargão de mercado, o termo expansionista indica que a política fiscal impulsiona o crescimento por meio de gastos públicos e desonerações tributárias, e, essa expansão da atividade gera inflação, Quando passa a ser neutra, o impulso fiscal sobre a atividade não esfria nem aquece a atividade, o que facilita o trabalho do BC.
 
Finalmente, a política fiscal também pode ser contracionista – neste caso, ela também exerce pressão contra a inflação.
 
O mercado leu essa indicação do BC como mais um sinal de que a política fiscal do governo continua expansionista no presente - afinal, ela "pode caminhar para a neutralidade".
 
Para alguns economistas, essa sinalização fortalece a visão de que o BC deve ampliar o aumento de juros, para compensar a expansão fiscal.
 
Outros economistas entendem que o sinal dado é de otimismo. Quer dizer, se o BC vê que há condições para a política fiscal deixar de ser expansionista e caminhar para a neutralidade, o aumento de juros também deve seguir esse cenário, e não forçar demais um esfriamento da atividade interna. / J.V.
Tópicos:



Comentários