Inovar-Autopeças chega em setembro

Medidas de incentivos à cadeia de fornecedores abrangerão Tiers 1, 2 e 3.

Após cancelar o anúncio do lançamento do Inovar-Autopeças, que seria nesta segunda-feira (26), o governo tenta reverter o cenário de desconforto e já fala em nova data para o anúncio das medidas, que têm por objetivo incentivar a inovação do setor de autopeças, a exemplo do Inovar-Auto para as montadoras. Segundo Mauro Borges Lemos, presidente da Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI), a medida será lançada na primeira semana de setembro, imediatamente após o retorno do ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Fernando Pimentel, em sua viagem à China, motivo pelo qual a Pasta decidiu adiar o anúncio, que será feito em conjunto com o Ministério da Ciência e Tecnologia.
 
Durante sua apresentação no segundo dia da 21ª edição do Simea (Simpósio Internacional de Engenharia Automotiva), realizado na sexta-feira (23), em São Paulo, e organizado pela AEA (Associação da Engenharia Automotiva), Lemos afirma que o Inovar-Autopeças é o mesmo Inovar-Peças que vem sendo discutido com a cadeia produtiva (Sindipeças) em parceria com as fabricantes de veículos (Anfavea) e que abrangerá todos os seus níveis, o que inclui empresas de pequeno, médio e grande porte (Tier 1, Tier 2 e Tier 3).
 
“Queremos ser um player mundial e para isso ser competitivo em diversos setores, isso inclui estar integrado na cadeia global de tecnologias”, defendeu Lemos.
 
O presidente da ABDI acrescenta que o Inovar-Autopeças trará incentivos à cadeia nos moldes do Inovar-Auto para as montadoras. Ele prevê uma alteração da lei do Inovar-Auto, que permitirá a criação de um novo sistema operacional para fazer o monitoramento e auditoria de aferição da origem de componentes utilizados pela indústria nacional de autopeças, diferente do que é feito hoje pela Receita Federal, que deverá separar o que é componente nacional de componente importado. “A ABDI será a gestora desse sistema de rastreabilidade, que vai conduzir e normatizar o sistema de informação das montadoras no País.” 
 
Contudo, Heloisa Menezes, secretária de desenvolvimento da produção do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), que também participou do Simea, apontou que o Inovar-Autopeças foi concebido de forma diferente do Inovar-Auto:
 
“O Inovar-Autopeças não será baseado em estímulos fiscais e tributários como o Inovar-Auto para as montadoras, será baseado em instrumentos de gestão, com apoio ao relacionamento da cadeia, apoio à tecnologia industrial básica (TIB), apoio financeiro e medidas de atração de investimentos e fornecedores para o âmbito nacional.” 
 
A secretária não deu mais detalhes sobre as medidas dedicadas ao setor de autopeças, o que deixou para o ministro Pimentel, quando definir enfim o anúncio do pacote de incentivos.
 
Inova-Peças
 
Em outro contexto, no painel sobre o setor automotivo no Plano Brasil Maior, o palestrante Glauco Arbix, presidente do Finep (Fundo de Financiamento de Estudos e Projetos da Agência Brasileira de Inovação), explanou sobre outras medidas de incentivo à cadeia de fornecimento, o Inova-Peças, programa que está dentro do âmbito do Inova Empresas do Finep, lançado em março deste ano e que prevê a liberação de recursos para diversos setores econômicos com o fim de inovar e desenvolver a produção e projetos locais. Segundo Arbix, o Inova-Peças será mais um dos projetos financiados pela empresa pública e que para o setor estão previstos recursos de R$ 1 bilhão.
 
O investimento poderá ser direcionado para financiar as áreas de engenharia, pesquisa e desenvolvimento em novos produtos, materiais, serviços e processos; na implantação e desenvolvimento de centros de pesquisa, centros de engenharia, de testes, ensaios e homologação; em projetos relacionados à eficiência energética aplicada a veículos, segurança veicular, eletrônica e novos materiais na cadeia automotiva. 
 
“Desde que lançamos o Inova Empresa, há cinco meses, nosso primeiro balanço, que foi apresentado esta semana ao governo, mostrou que a demanda inicial por recursos chegou a R$ 56,2 bilhões, que serão divididos por 1.904 empresas de diversos setores. Esta é uma demanda (recurso) que vai aumentar com os novos lançamentos, como o Inova-Autopeças, Inova-Mobilidade, Inova-Sustentabilidade.”
 
Por Sueli Reis/ Automotive Business



Comentários