Receita da Schaeffler cresce 4% em 2012

Mercados da América do Norte e Ásia impulsionam resultado de € 11,1 bilhões

 

A Schaeffler apurou crescimento de 4% na receita consolidada de 2012 na comparação com o ano anterior, para € 11,1 bilhões, enquanto o Ebit (lucro antes de juros e impostos) recuou 17,6% na mesma comparação, para € 1,4 bilhão. O resultado foi puxado pelo desempenho positivo concentrado nas regiões da América do Norte e Ásia-Pacífico, onde as receitas subiram 18% e 10%, respectivamente. Na Europa, houve leve alta de 0,3%, impulsionado pelo mercado alemão.
 
Embora a receita tenha crescido, o lucro líquido da empresa em 2012 foi 1,9% menor que o apurado em 2011, para € 872 milhões. As vendas da divisão automotiva, que reúne as marcas Ina, Fag e Luk, alcançaram níveis recordes de receita em 2012, de € 7,7 bilhões que representa aumento de 7,1% sobre 2011, quando o grupo registrou € 7,1 bilhões. O Ebit se manteve com margem de 13%, de € 998 milhões. Os ganhos da divisão foram mais fortes na Ásia-Pacífico, incluindo China, cujo crescimento foi de 22%, e na América do Norte, com alta de 21%. Na Europa, as vendas da divisão automotiva recuaram 1% e na América do Sul, caíram 12%. 
 
Já na divisão industrial, as vendas foram 2% menores entre 2011 e 2012, para € 3,4 bilhões. Outras divisões somaram € 61 milhões, também queda de 17,5%.
 
Para 2013, a empresa espera que a produção mundial de veículos e comerciais leves apresente ligeira alta de 2%. A expectativa para os mercados europeus ainda é de lentidão, com produção 2% menor com relação ao ano passado. Para o mercado industrial, a demanda deve se recuperar a partir do segundo semestre.
 
“América do Norte e Ásia-Pacífico são e continuarão sendo os nossos condutores de crescimento. Estamos apontando para o crescimento da receita de cerca de 4% e uma margem Ebit de aproximadamente 13% em 2013”, projeta o CEO da Schaeffler, Jurgen Geissing. 
 
A Schaeffler planeja ainda investir 5% da receita em pesquisa e desenvolvimento de novos produtos e processos em 2013.



Comentários