Desenvolvida nos anos 40 é o processo que combina operações de extrusão direta, indireta e forjamento. O processo foi aceito na indústria particularmente para ferramentas e componentes de automóveis , motocicletas, bicicletas, acessórios e equipamento agrícola.

O processo usa tarugos cortados de barras laminadas, fios ou chapas.

Os tarugos menores que 40mm de diâmetro são cisalhados e tem suas bordas ajustadas por retificação. Diâmetros maiores são usinados a partir de barras, com comprimentos específicos.
Embora componentes extrudados a frio sejam em geral mais leves, fabricam-se componentes de até 45 kg e com commprimentos de até 2m.

Metais obtidos por metalurgia do pó são também extrudados a frio.

Vantagens em relação a extrusão a quente

  • melhores propriedades mecânicas resultantes do encruamento, desde que o calor gerado pela deformação não recristalize o metal
  • controle das tolerâncias, requerendo pouca ou nenhuma operação posterior de acbamento
  • melhor acabamento superficial, devido em parte pela não existência de camada de óxido, desde que a lubrificação seja eficiente
  • eliminação do pré-aquecimento do tarugo
  • Taxas de produção e custos competitivos com outros métodos. Alguma máquinas são capazes de produzir mais de 2000 partes por hora.

Desvantagens

A magnitude da tensão no ferramental de extrusão é muito alta, especialmente para trabalhar peças de aço. A dureza do punção varia de 60 a 65 HRc e a da matriz de 58 a 62 HRc.

Veja abaixo um exemplo de produto extrudado a frio. Trata-se da parte metálica de uma vela de ignição automotiva. A peça acabada foi seccionada longitudinalmente no seu plano médio, mostrando o fluxo de grãos.

Tópicos: