Processo: usa a propriedade da saponificação ou da emulsificação dos óleos e graxas para promover a limpeza. Isto significa que os agentes químicos utilizados promovem a formação de uma mistura (emulsão) ou espuma, quando em contato com os depósitos superficiais da peça. Esta mistura é então removida por lavagem levando consigo as impurezas. O processo é realizado em banho de imersão.

Agentes químicos: são soluções salinas, com componentes alcalinos fortes.
Para aço e suas ligas, ferro fundido e níquel, usa-se a soda cáustica. Os fosfatos são adicionados como emulgentes e redutores da dureza da água.
Para facilitar a lavagem posterior também são adicionados silicatos.
Para metais não ferrosos o silicato impede o ataque da peça pelos desengraxantes.
Modernamente são também usados agentes umectantes de lavagem, que intensificam a limpeza.

Características : as concentrações nas soluções são de 3 a 5%.
A temperatura tem maior influência no processo do que a concentração.
É preferível trabalhar com as soluções em temperatura de ebulição.
Para temperaturas abaixo do ponto de ebulição (entre 80 e 900 C) a solução deve ser constantemente agitada para ajudar a emulsificação.
Para equipamentos fechados é feito um processo de esguichamento dos emulsificantes após o amolecimento do óleo por agitação do banho.

Máquinas de lavagem: existem instalações completamente automáticas que removem as graxas e óleos, lavam e secam as peças. Algumas podem também fazer a decapagem.
As peças percorrem as instalações em cestas ou isoladas, em dispositivos especiais.
Alguns equipamentos podem ter tambores rolantes aquecidos eletricamente para lavagem de peças pequenas, de produção em série. Ver ilustração abaixo.

Cuidados especiais: a lavagem final das peças deverá ser feita preferencialmente com água, seguida de secagem imediata. A secagem rápida impede o enbaçamento e a formação de ferrugem.

Peças excepcionalmente sujas e trabalhos de reparo: nos casos de reparo de peças ou peças muito sujas, usa-se limpeza por soluções que produzam espuma abundante. Locais de difícil acesso são esguichados com mangueira.

Nestes casos usam-se os purificadores de emulsão que são combinações de solventes orgânicos (querosene, nafta, tricloro-etileno) e de soluções de sais alcalinos. É feito o esguichamento sem lavagem posterior. O jato reforça o efeito emulsificante.

Forma-se uma camada remanescente muito fina de querosene , que pode ser benéfica no caso de fosfatização posterior. Isto porque a camada de granulação fina é uma barreira à corrosão.

Para o caso de remoção de camadas de óleo resinificado e de borra, usa-se o processo de imersão ou esguichamento em temperatura ambiente, empregando solventes à base de cresol.

Escolha dos agentes químicos: além do efeito de remoção procura-se escolher agentes que não afetem a integridade do metal da peça, especialmente no caso de peças polidas.
Por exemplo:a alteração do cobre pode ser impedida por substâncias protetoras (inibidores)
O alumínio e suas ligas são atacados por substâncias alcalinas.

Segurança de operadores: como todos os agentes são fortemente alcalinos devem ser tomados cuidados especiais para evitar queimaduras da pele.