ESTUDO DA FORMAÇÃO DE REBARBAS NO MICROFRESAMENTO DE PEÇAS PRODUZIDAS POR MANUFATURA ADITIVA

por: Cleiton Assis, Reginaldo Coelho

Acessar artigo completo



Ano: 2019

Instituições de ensino: Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Universidade de São Paulo

Idioma: Portugues

Logo-abcm-300
Logo-cobef-2019



Resumo

A microusinagem possibilita fabricar peças em escalas reduzidas para aplicações em diversas áreas. Nesse sentido, o microfresamento apresenta a vantagem de produzir componentes com alta razão de aspecto e geometrias complexas. Associado a processos como a manufatura aditiva, seria possível conciliar diferentes técnicas para a geração de produtos inovadores e capazes de atender a novas demandas tecnológicas. O objetivo desta pesquisa foi estudar a formação de rebarbas em peças produzidas por manufatura aditiva, submetidas a operações de microfresamento. Microcanais foram usinados em peças de aço inoxidável 316L. As variáveis dos testes de usinagem foram velocidade de corte, profundidade de usinagem e avanço por dente. Nos testes foram usinados microcanais com microfresas de topo esférico num primento momento, com posterior repasse nos microcanais com microfresas de topo reto. Todas as análises foram feitas com auxilio de microscopia laser 3D. Os resultados indicaram que uma usinagem inicial com microfresas de topo esférico e avanço por dente maior que o raio de aresta da ferramenta de corte, seguida de repasse com microfresa de topo reto, gerou microcanais com menos rebarbas quando comparados as outras condições de usinagem. Uma combinação entre parâmetros de corte e geometria de microfresas favoreceu a minimização das rebarbas.


Palavras chave

Acessar artigo completo




Comentários



Veja outros trabalhos acadêmicos

Outros conteúdos

Fórum

Tire suas dúvidas e ajude outras pessoas no CIMM:

Faça uma pergunta