Apesar de excessos, siderúrgicas focam em aumentar a produção

Para este ano já é projetado um excesso de 300 milhões de toneladas no estoque

O setor siderúrgico continua a enfrentar problemas com estoques elevados e, neste ano, o volume excedente já está estimado em 300 milhões de toneladas, com produção de 1,8 bilhão de toneladas ante vendas de apenas 1,5 bilhão de toneladas, segundo reportagem publicada  no Wall Street Journal.

A indústria tem sido batante estimulada por países menos afetados pela crise, que estão tentando dar uma guinada em suas economias por meio do setor siderúrgico. Mas em vez de aumentar a eficiência e consolidar o setor, a indústria siderúrgica tem expandido ainda mais a sua capacidade de produção, alerta a reportagem.
 
Setor siderúrgico continuará a enfrentar excesso de estoque
O excesso de estoques tem corroído o preço do aço e o lucro de siderúrgicas. A ArcelorMittal - líder global do setor - reportou perda de US$ 709 milhões no trimestre passado. O CEO da companhia, Lakshmi Mittal, tem declarado que a indústria está muito fragmentada.
 
Sem uma consolidação, grandes companhias têm se desdobrado para salvar suas margens. Entre as medidas que as empresas têm adotado, estão corte de gastos, maiores vendas para mercados emergentes e aumento de fabricação de itens para o setor automobilístico.
 
Empresas no Vietnã, Argentina, Equador, Peru e Bolívia, por exemplo, estão planejando erguer novas fábricas. Por volta de 2016 são esperadas a abertura de cerca de 100 novos lugares para produzir aço, com uma capacidade de fornecer mais 350 milhões de toneladas de aço.
 
Por Tatiana Fernandes Gurjão/ Infomoney 



Comentários