Com 334,5 mil veículos, é o melhor outubro da história

Houve crescimento de 16% em relação ao mês anterior

 

As vendas de veículos superaram a marca de 334,5 mil unidades em outubro, recorde para o mês, com evolução de 16% sobre setembro e de 19,4% sobre o registrado no mesmo mês de 2011. Considerando o acumulado de janeiro a outubro, os emplacamentos ultrapassam a marca de 3 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus vendidos. O volume representa crescimento de 1,2% na comparação com igual período do ano anterior. 
 
Os emplacamentos de automóveis e comerciais leves ficaram em torno de 320 mil unidades, segundo dados preliminares da Carcon Automotive, com crescimento de 15,2% na base mensal e de 21,1% na anual. A aceleração foi estimulada pela redução do IPI para o segmento. A expectativa era de que o incentivo terminasse no fim de outubro, mas ele foi prorrogado até 31 de dezembro. 
 
O consultor sênior da Carcon Automotive, Julian Semple, avalia ainda que a expansão também pode ser explicada pela diferença no número de dias úteis entre um mês e outro. Enquanto setembro teve 19, outubro teve 22 dias úteis. “No fim, a média diária de vendas foi muito parecida entre os dois meses, em torno de 14 mil emplacamentos/dia”, calcula. Segundo Semple, novembro também tem desvantagem no número de dias úteis. 
 
Apesar disso, ele lembra que os últimos meses do ano são tradicionalmente mais aquecidos. O aumento da renda do consumidor com o 13º salário é um dos fatores que estimulam as vendas. “Além disso, o IPI continua reduzido até o fim do ano e temos ainda o Salão do Automóvel e uma série de lançamentos.” 
 
O ritmo do segmento de veículos pesados até o fim de outubro foi 21,5% inferior ao do mesmo período do ano passado, com 112,6 mil emplacamentos. Já as vendas de ônibus diminuíram 14,1%, para 24,2 mil chassis. Os volumes devem acelerar nos dois últimos meses de 2012, com taxa de 2,5% ao ano para financiamento pelo BNDES/Finame. Com isso, o mercado interno pode alcançar a projeção da Anfavea de crescer entre 4% e 5% sobre 2011 para até 3,8 milhões de automóveis, comerciais leves, caminhões e ônibus no ano.
 
Por Giovanna Riato/ Automotive Business
 
Tópicos:



Comentários