Finep deve emprestar R$ 5 bilhões para inovação em 2013

O empréstimo previsto será destinado para micro, pequenas e médias empresas com planos de desenvolvimento tecnológico.

A Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) terá R$ 5 bilhões para emprestar a micro, pequenas e médias empresas que apresentarem planos de desenvolvimento tecnológico em 2013. A previsão foi dada na segunda-feira (15) pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, na abertura da Exposição e Conferência de Inovação e Empreendedorismo de Base Tecnológica (Expocietec) 2012, em São Paulo.

Os desembolsos continuam como vinham sendo liberados: em parceria com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e pertencentes ao Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT). O montante para o ano que vem vai quase dobrar, na estimativa do ministro. "Só neste ano estamos disponibilizando R$ 3 bilhões, mesmo valor do ano passado", afirmou.
 
Ele explicou que a Finep, contudo, tem foco diferente do BNDES. Enquanto o banco presidido por Luciano Coutinho mira grandes projetos, a análise da financiadora é direcionada a trabalhos estruturantes de micro, pequenas e médias empresas.
 
Raupp disse ainda que o governo vai retomar a linha de financiamento para pequenas e médias empresas que desejam investir em inovação. Entre 2012 e 2014, último ano do governo Dilma Rousseff, as linhas de créditos do ministério para esse fim específico vai somar R$ 1,2 bilhão.
 
"Temos algo em torno de R$ 400 milhões por ano para esse tipo de financiamento, o que mostra que estamos conseguindo manter o nível de desembolso", disse. Os empréstimos serão liberados pela Finep e esses recursos se somam ao orçamento anual da financiadora.
 
"Venho conversando com empresas para saber a demanda que temos. Nas negociações para a verba deste ano ganhamos apoio que antes não tínhamos, como as federações das indústrias. Isso mostra a importância que o ministério vem ganhando", disse.
 
O ministro também destacou a mudança nas relações entre os ministérios. Antes, segundo ele, ciência e tecnologia era tratado como um setor a ser pensado e desenvolvido. Agora, o tema recebe uma tratamento diferente. "A questão sempre foi tratada como um nicho, apesar de ela interessar a todos. Hoje somos vistos como um ministério que faz parceria com os outros e auxilia no desenvolvimento econômico do país, principalmente pelo nosso foco ser as micro e pequenas."
 
Tópicos:
                                   



Comentários