Vasco 1000 aumenta produtividade na fabricação de componentes aeroespaciais

Vasco 1000 aumenta produtividade na fabricação de componentes aeroespaciais


Continua depois da publicidade


 

Nas operações de usinagem, a utilização do fluido de corte correto é decisiva para o aumento da produtividade. No caso da indústria aeronáutica, na usinagem de peças estruturais compostas de titânio ou inox aeroespacial, a escolha por um fluido de alto desempenho é  decisiva na maximização dos custos produtivos. Atualmente, o único produto homologado pela Engenharia da Embraer para usinar ligas metálicas e não metálicas, independentemente do tipo máquina e parâmetros de usinagem utilizados, é o óleo de base 100% vegetal miscível em água da Blaser, o Vasco 1000.
 
Segundo o engenheiro de aplicação da Blaser Swisslube, Marcelo Kuroda, o produto  foi desenvolvido pela Blaser na Europa, em conjunto com universidades e empresas e vem sendo aprimorado há 30 anos. "O esperado é que com o Vasco 1000, a vida útil da ferramenta tenha um aumento de 20% a 30%, porém o que realmente deve ser avaliado é a possibilidade de aumento de parâmetros de usinagem a fim de se aumentar a produtividade na operação", explica Kuroda.
 
O óleo foi testado e aprovado pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) e é comercializado em quase todos os 52 países nos quais a Blaser atua. "O Vasco 1000 atende a todas as ligas, como alumínio, titânio e inox. No caso da Embraer é o único produto utilizado em ligas de difícil usinabilidade", diz o engenheiro. 
 
Segmentos
O óleo atende a outros segmentos, como a indústria odontológica e automobilística. A Icape, prestadora de serviços de usinagem para os setores automotivo e aeroespacial de Campinas (SP), utiliza o óleo para furar, rosquear, fresar e alargar um cilindro de alumínio.
 
Segundo o gerente de produção da Icape, Fábio Menezes, a empresa utiliza o óleo há 11 meses e houve um acréscimo das taxas de avanço e rotação e da vida útil das ferramentas. Assim, a empresa obteve aumento de produtividade da ordem de 54%, o que lhe rendeu o Troféu de Produtividade da Blaser 2012. 
 
"Este aumento de produtividade foi importante para que pudéssemos alcançar o volume de produção planejado para este processo. Isso sem a necessidade de desenvolver um processo alternativo para suprir a falta de capacidade do processo na configuração antiga usando outro produto e sem perder a qualidade", avalia Menezes.
 



Comentários